A voz expressiva do ser

Uma interpretação deleuziana da filosofia de Espinosa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v14i2.1000

Palavras-chave:

Univocidade, Ontologia, Expressão

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar uma interpretação deleuziana da filosofia de Baruch de Espinosa, pensador moderno que se contrapôs às principais concepções cartesianas sobre a natureza do mundo, do homem e de Deus. Deleuze mostra que Espinosa, ao identificar Deus como a única substância existente, extingue o problema da dualidade substancial e, portanto, o problema da união entre corpo e alma, inaugurando, junto com Duns Scott e Friedrich Nietzsche, uma ontologia da imanência, capaz de pensar a univocidade do ser. As concepções de Espinosa mudaram o modo de compreender a relação corpo-mente, buscando novos caminhos para a postura dualista vigente. Revisitar sua obra é uma forma de rediscutirmos a filosofia dualista, ainda presente em diversas concepções atuais. Este trabalho está alicerçado em uma pesquisa qualitativa, partindo de uma revisão bibliográfica da obra de Espinosa a partir de uma interpretação deleuziana de suas principais concepções acerca de sua substância única.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elemar Kleber Favreto, Universidade Estadual de Roraima/UERR

Possui bacharelado, licenciatura e mestrado em Filosofia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (2007). Graduado em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário Internacional - UNINTER (2017), Licenciado em Física pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - IFAM (2018), Especialista em Gestão Pública Municipal pela Universidade Estadual de Maringá - UERR (2011) e Master of Business Administration (MBA) em Controladoria e Finanças pela Universidade Norte do Paraná - UNOPAR (2019). Tem experiência na área de Filosofia, Contabilidade e Metodologia da Pesquisa. Atuou como professor colaborador do curso de Filosofia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (2009-2011) e em faculdades particulares. Atualmente é professor efetivo do curso de Filosofia da Universidade Estadual de Roraima - UERR (2011-atual). Participou como pesquisador dos Grupos de Pesquisa: História da Filosofia Moderna e Contemporânea - UNIOESTE (2009-2017), NEPTE - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Teorias do Estado - UERR/UFRR (exercendo a coordenação de 2012 a 2014, sendo membro de 2012 a 2017), Escola Amazônica de Filosofia - UERR/UFRR (exercendo a coordenação no ano de 2014, sendo membro de 2014 a 2017) e Núcleo de Pesquisas em Engenharia Física e Astrofísica - UERR (2017-2020). Atualmente é sub-coordenador do LABRIA - Laboratório de Automação, Robótica e Inteligência Artificial - UERR. Em 2015 exerceu o cargo de Pró-reitor de Ensino e Graduação da UERR, sendo eleito, no mesmo ano, para exercer o cargo de Vice-reitor, cargo que ocupou de janeiro de 2016 à dezembro de 2019. Atualmente é Pró-Reitor de Gestão de Pessoas da UERR desde novembro de 2019. Seus temas de interesse são: diferença em Gilles Deleuze e na filosofia contemporânea, discussões referentes ao dualismo e materialismo contemporâneos, Inteligência Artificial, robótica, astrofísica, política e políticas públicas, orçamento e finanças.

Downloads

Publicado

27/09/2021

Como Citar

FAVRETO, E. K. A voz expressiva do ser: Uma interpretação deleuziana da filosofia de Espinosa. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 14, n. 2, 2021. DOI: 10.24979/ambiente.v14i2.1000. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/1000. Acesso em: 27 out. 2021.