Obstáculos à educaçao escolar indígena

Contextualização histórica e aproximações na Amazônia Sul-Ocidental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v1i1.1072

Palavras-chave:

Povos indígenas, Contexto regional, Percurso histórico, Pesquisas científicas

Resumo

Este artigo apresenta o cenário ao qual se estabeleceu a Educação Escolar Indígena como um modelo educacional diferenciado na Amazônia Sul-Ocidental, tendo como objetivo apontar obstáculos impostos ao desenvolvimento do modelo ao longo do tempo, assumindo a noção de obstáculo epistemológico de Gaston Bachelard (1996). Para tanto, foram realizados estudos de revisão bibliográfica de pesquisas científicas desenvolvidas no Brasil disponíveis no acervo da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações que tratam sobre a temática no contexto amazônico e defendidas no período de 2015 a 2020. Para compor as análises, foi realizada uma revisão de literatura com foco nos objetivos, na contextualização histórica e nos resultados dos trabalhos selecionados. Como resultados, apresentamos similaridades nos contextos nacional e local, contudo diferentes temporalidades, problematizações que emergem de diferentes cenários, reconstrução do percurso histórico do modelo educacional, com ênfase a legislações específicas, cenários políticos, concepções ideológicas e a observância quanto a influência de movimentos indígenas na construção do modelo educacional.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Mara Rykelma da Costa Silva, Instituto Federal do Acre/IFAC

    Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica de Educação em Ciência e Matemática (REAMEC) polo da Universidade Estadual do Amazonas/UEA. Mestre em Matemática (ProfMat) pela Universidade Federal do Acre/UFAC. Especialista em Educação Inclusiva pela Universidade Federal do Acre/UFAC. Licenciada em Matemática pela Universidade Federal do Acre/UFAC. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre/IFAC.

  • Laura Isabel Marques Vasconcelos de Almeida, Universidade de Cuiabá e REAMEC

    Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná/PUCPR. Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso. Especialização em Didática e Avaliação Educacional pela Universidade Federal de Mato Grosso. Graduada em Pedagogia pela Universidade de Cuiabá. Professora Permanente dos Programas de Pós-Graduação Doutorado em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM) da Rede Amazônica de Educação em Ciências (REAMEC) e Mestrado em Ensino da Universidade de Cuiabá/UNIC.

  • Vilma Luísa Siegloch Barros, Instituto Federal do Acre/IFAC

    Professora de Matemática do Instituto Federal do Acre - IFAC. Doutoranda Educação em Ciências e Matema´tica pela REAMEC/Polo UEA. Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal do Acre. Pós-Graduação em Metodologias do Ensino para Matemática e Física. Graduação em Matemática pela Universidade Federal do Acre. Experiência na área de Matemática Básica, Matemática Aplicada, Cálculo, Estatística, Física, Matemática Financeira, Raciocínio Lógico, Geometria, Didática do Ensino, Produção de Recursos Didáticos para o Ensino de Matemática, Tecnologias para o Ensino de Matemática e Estágio Supervisionado.

  • Vandreza Souza dos Santos, Universidade Federal do Amazonas/UFAM

    Professora de Química no Instituto de Natureza e Cultura – INC, da Universidade Federal do Amazonas – UFAM. Mestra em Ensino de Ciências Naturais e Matemática – PPGECNM pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática – PPGECEM, pela Rede Amazônica de Educação em Ciência e Matemática – REAMEC.

Referências

AGUIAR, José Vicente de Souza; OLIVEIRA, Kelly Almeida de; NASCIMENTO, Izaura Rodrigues do. O pensamento étnico-racial: o saber científico, as normas legais e a educação. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 17, e2219318, p. 1-22, 2022. Disponível em: <https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa> Acesso em 02 de abr. 2022.

AMARAL, Gustavo Gurgel. Geografia da re-existência: conhecimentos, saberes e representações geográficas na educação escolar indígena do povo Oro Wari - RO. 2016. 260f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2016.

ARAMBURU, Mikael. Aviamento, modernidade e pós-modernidade no interior Amazônico. Revista Brasileira de Ciências Sociais – RBCS, 1994, vol. 9, n.25. Disponível em: http://anpocs.org/index.php/publicacoes-sp-2056165036/rbcs/212-rbcs-25. Acesso em: 05 mai. 2022.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Tradução de Estela dos Santos Abreu. 1ª ed. 5ª reimpressão, Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BETTIOL, Célia Aparecida. A formação de professores indígenas na Universidade do estado do Amazonas: avanços e desafios. 2017, 232 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2017.

BONIN, Iara Tatiana; RIPOLL, Daniela, AGUIAR, José Vicente. A temática indígena sob as lentes dos Estudos Culturais e Educação – algumas tendências e enfoques analíticos. Educação [en linea]. 2015, 38(1), 59-69 Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=84838252007. Acesso em: 05 de nov. 2021.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. Coleção primeiros passos. vol. 20. São Paulo: Brasiliense, 2007. 117 pág.

BRASIL. Decreto Imperial nº. 426 de 24 de julho de 1845. Regulamento acerca das Missões de catequese, e civilização dos índios. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/norma/387574/publicacao/15771126. Acesso em: 07 dez 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília: DF, 23 dez 1996.

BRASIL. Caderno SECAD 3. Educação Escolar Indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Brasília: DF, 2007.

COSTA, Mauro Gomes da. A Igreja católica no Brasil: as ações civilizatórias e de conversão ao catolicismo das Missões Salesianas junto aos povos indígenas do Alto Rio Negro/Amazonas (1960 -1980). 2012, 322 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2012.

CUNHA, Manoel Estébio Cavalcante da. O Acre e a educação escolar indígena, intercultural, diferenciada e bilíngue. 2009, 170 f. Dissertação (Mestrado em Letras, Linguagem e Identidade). Universidade Federal do Acre, Rio Branco: AC, 2009.

MONTE, Nietta Lindenberg. Os outros, quem somos? Formação de professores indígenas e identidades interculturais. Cadernos de Pesquisa [online]. 2000, n. 111, p. 7-29. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0100-15742000000300001>. Acesso em: 11 dez. 21.

SILVA, José Alessandro Cândido. Políticas públicas de educação escolar indígenas e a formação de professores indígenas no Acre. 2015, 181 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Pará. Curitiba-PR, 2015.

UNICEF. Enfrentamento da cultura do fracasso escolar: Reprovação, abandono e distorção idade-série. Centro de Estudos e Pesquisas em

Educação e Ações Comunitárias – CENPEC, janeiro de 2021. Disponível em: <https://trajetoriaescolar.org.br/wp-content/uploads/2021/01/web_unicef-cultura-fracasso-escolar-vf.pdf>. Acesso em: 09 mai. 2021.

Downloads

Publicado

28/07/2022

Como Citar

Obstáculos à educaçao escolar indígena: Contextualização histórica e aproximações na Amazônia Sul-Ocidental. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 4–14, 2022. DOI: 10.24979/ambiente.v1i1.1072. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/1072.. Acesso em: 14 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 138

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)