MATERIAL DOURADO COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DAS QUATRO OPERAÇÕES MATEMÁTICAS

Autores

  • Marilene Kreutz Oliveira Universidade Estadual de Roraima
  • Aparecida Maria Ramos Simão Flôres
  • Josias Ferreira Silva
  • Ivanise Maria Rizzatti
  • Luana Cassia Souza Coutinho
  • Juciel Silva Souza

DOI:

https://doi.org/10.24979/14

Resumo

O presente estudo apresenta como objetivo analisar o potencial do material dourado como recurso pedagógico no ensino das quatro operações fundamentais da matemática. É uma pesquisa de cunho qualitativo com observação participante, desenvolvida com alunos do 5º ano do ensino fundamental I de uma escola pública estadual de Boa Vista/RR. Utilizou-se atividade diagnóstica para averiguação dos conhecimentos prévios dos alunos quanto às quatro operações fundamentais, desenvolveu-se uma sequência didática utilizando o material dourado associado à Teoria dos Campos Conceituais de Gerárd Vergnaud e, por fim, aplicou-se e analisou-se uma atividade avaliativa para verificação de indícios de aprendizagem significativa, difundida por David Ausubel. Observamos que o uso do material dourado, utilizado conforme as especificidades da turma e baseado em uma teoria, consiste em um elemento valorizador para a construção de conceitos matemáticos que se referem às quatro operações fundamentais, contribuindo dessa forma para uma aprendizagem significativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.

FERRARI, M. Maria Montessori, a médica que valorizou o aluno. Revista Nova Escola: Especial Grandes Pensadores. São Paulo: FVC, out./2008.

FLÔRES, A. M. R. S. Software Boardmaker na construção de organizadores prévios para o ensino de ciências de alunos do 7º ano com baixa visão atendidos na sala de recursos multifuncionais da Escola Estadual Vitória Mota Cruz. 124f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências) – Universidade Estadual de Roraima, Boa Vista, 2015.

GABRIEL, G. L. Narrativa autobiográfica como prática de formação continuada e de atualização de si: os grupos-referência e o grupo reflexivo na mediação da constituição identitária do docente. 1. Ed. Curitiba, PR: CRV, 2011.

GROSSI, G. P. Todos perdem quando não usamos a pesquisa na prática. Revista Nova Escola: Especial Grandes Pensadores. São Paulo: FVC, out./2008. Disponível em http://revistaescola.abril.com.br. Acesso em: 20 jan. 2016.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: Formar-se para a mudança e a incerteza. 3 ed. Coleção Questões de Nossa Época, v. 77. São Paulo: Cortez, 2002.

KAMII, C. A criança e o número. São Paulo: Papirus, 2010.

MOREIRA, M. A. Teorias da Aprendizagem. São Paulo: EPU, 2011.

VERGNAUD, G. A trama dos campos conceituais na construção dos conhecimentos. Revista do GEMPA, Porto Alegre, nº. 4:9-1996.

Arquivos adicionais

Publicado

2017-01-31

Como Citar

OLIVEIRA, M. K.; FLÔRES, A. M. R. S.; SILVA, J. F.; RIZZATTI, I. M.; COUTINHO, L. C. S.; SOUZA, J. S. MATERIAL DOURADO COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DAS QUATRO OPERAÇÕES MATEMÁTICAS. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 114–130, 2017. DOI: 10.24979/14. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/14. Acesso em: 16 jun. 2021.

Edição

Seção

Artigos - Seção Varia