Eles estão entre nós

Uma discussão sobre o folclore brasileiro a partir da série Cidade Invisível

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v15i2.1092

Palavras-chave:

Folclore, Linguagem, Filosofia, Ética, Cultura

Resumo

O presente artigo problematiza algumas questões filosóficas, místicas e religiosas a partir da série da Netflix Cidade Invisível. A série estreou nesse serviço de streaming em fevereiro de 2021 e trouxe vários elementos que são parte conhecida da cultura e do folclore brasileiros, inclusive com leves críticas às questões socioambientais. Ambientada no Rio de Janeiro, o enredo gira em torno do policial Eric que investiga a misteriosa morte de sua esposa, enquanto adentra cada vez mais no mundo invisível presente na cidade que o cerca. As análises em torno das noções de fantasia, imaginário e folclore brasileiro são abordadas na série de modo lúdico e no contexto de suspenses bem elaborados, os quais prendem os telespectadores, fazendo com que eles expiem as mesmas emoções representadas nas telas, tal qual ocorre na noção de catarse aristotélica.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Edgard Vinicius Cacho Zanette, Universidade Estadual de Roraima

    Doutor em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Mestre em Filosofia Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Bacharel/Licenciado em Filosofia Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) e Graduado em Letras-Português (Claretiano). 

  • Josué Carlos Souza dos Santos, Universidade de São Paulo

    Doutorando em Educação pela Universidade de São Paulo - Ribeirão Preto (FFCLRP). Mestre em Segurança Pública, Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade Estadual de Roraima (MPSPDHC/UERR, 2022), Especialista em Filosofia da Religião pela Universidade Estadual de Roraima (UERR, 2020), Bacharel em Teologia pela Faculdade de Ciências, Educação e Teologia do Norte do Brasil (FACETEN, 2015).

  • Daniel Lopes Gameiro Ferreira, Universidade Estadual de Roraima

    Mestrando em Segurança Pública, Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade Estadual de Roraima (UERR), Especialista e Endodontia pela Associação Brasileira de Odontologia (ABO), especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Alfa América (ALFA) e especialista em Direito Civil pela Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Graduado em Odontologia pela Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO) e graduado em Direito pela Faculdades Cathedral de Ensino Superior (FACES).

Referências

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

______. O fetichismo na música e a regressão da audição. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

ALVES, J. C. Abecedário de Personagens do Folclore Brasileiro. São Paulo, SP: Edições SESC, 2017.

Amazon anuncia compra da MGM por U$ 8,45 bilhões e esquenta guerra do streaming. Moneytimes, 2021. Disponível em: <https://www.moneytimes.com.br/amazon-anuncia-compra-da-mgm-por-u-845-bilhoes-e-esquenta-guerra-do-streaming/> Acessado em: 10/06/2021.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução: Baby Abrão. In: Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

AYALA, M.; AYALA, M. I. N. Cultura Popular no Brasil. São Paulo: Ática, 1987.

BAUMAN, Z. O Mal-estar da Pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

______. Identidade: Entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2005.

BAZIN, A. O que é o cinema? São Paulo: Cosac Naify, 2014.

BENJAMIN, W. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. Trad. Francisco De Ambrosis Pinheiro. Porto Alegre: Editora Zouk, 2012.

BRANDÃO, C. R. O que é folclore? São Paulo, SP: Brasiliense, 2017.

CAETANO, R. F; SILVA, R. N. P; ALVES, E. S. O território como elemento constituidor da identidade sociocultural dos povos e comunidades tradicionais: A Constituição Sócio-histórica da Comunidade Ribeirinha de São Carlos (Baixo Madeira, Porto Velho/RO). Revista Saberes da Amazônia, v. 2, p. 348-363, 2015. Disponível em: <https://www.fcr.edu.br/ojs/index.php/saberesamazonia/article/view/208>Acessado em: 02/05/2021.

CÂMARA CASCUDO, L. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Ediouro, s/d.

CARVALHO, R. B. O Flâneur na Cidade Invisível. In: VIII Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual, 2015, Goiânia. Anais do VIII Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual: arquivos, memorias, afetos. Goiânia: Núcleo Editorial FAV, 2015. v. 8. p. 80-805. Disponível em: <https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/778/o/2015.Narrativas_renatacarvalho.pdf> Acessado em: 02/05/2021.

CIDADE INVISÍVEL – 1ª Temporada. Produção de Carlos Saldanha. Série da Netflix. Disponível em: <https://www.netflix.com/br/title/80217517> Acessado em: 02/05/2021.

CURY, D. A Netflix não vai democratizar o cinema e você já deveria saber disso. Cinemação, 2020. Disponível em: <https://cinemacao.com/2020/07/21/a-netflix-nao-vai-democratizar-o-cinema-e-voce-ja-deveria-saber-disso/> Acessado em: 10/06/2021.

ECO, U. (Org.) História da Beleza. Tradução de Eliana Aguiar, Rio de Janeiro: Record, 2010.

­­­­­­________. (Org.) História da Feiúra. Tradução de Eliana Aguiar, Rio de Janeiro: Record, 2007.

EDELWEISS, F. Apontamentos de Folclore. Salvador, BA: EDUFBA, 2001.

FERRÃO, J. Intervir na Cidade: Complexidade, Visão e Rumo. In: Portas, Nuno; Domingues, Álvaro; Cabral, João (org.). Políticas Urbanas, Tendências, Estratégias e Oportunidades. Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003, p. 218-225. Disponível em: <http://home.fa.ulisboa.pt/~miarq4p5/PlanUrbano2011-12/JFerr%C3%A3o-Intervir%20na%20cidade_Pol%C3%ADticasUrbanas.pdf> Acessado em: 02/05/2021.

FERNANDES, F. O Folclore em Questão. São Paulo: Editora Hucitec, 1978.

GHIRALDELLI, P. J. Introdução à Filosofia. São Paulo: Manole, 2003.

GOLOVATY, R. V. Cultura popular: saberes e práticas de intelectuais, imprensa e devotos de Santos Reis, 1945-2002. Dissertação de Mestrado. Uberlândia: UFU, 2005.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LIMA, J. R. O indivíduo na sociedade líquido-moderna e a identidade nacional. Periódicos Eletrônicos, v. 9, n. 19, 2019. Disponível em: <http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/bauman/article/view/9893/6538> Acessado em: 08/12/2022.

MACHADO, A. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.

MORITA, J. H. Cidade invisível: É possível corrigir a falta de representatividade na 2 ª Temporada?. Rolling Stone Brasil, 2021. Disponível em: <https://rollingstone.uol.com.br/noticia/cidade-invisivel-e-possivel-corrigir-falta-de-representatividade-na-2-temporada-entrevista/> Acessado em: 08/12/2022.

OSCAR 2021:Todos os ganhadores do prêmio da Academia de Hollywood e onde vê-los. BBC, 2021. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/internacional-56884979> Acessado em: 08/12/2022.

PORTELLA, R. Religião, Sensibilidades Religiosas e Pós-Modernidade. Da ciranda entre religião e secularização. REVER - Revista de Estudos da Religião, n. 2, p. 71-87, 2006. Disponível em: <https://www.pucsp.br/rever/rv2_2006/p_portella.pdf> Acessado em: 03/05/2021.

ROCHA, E. O que é Mito. São Paulo: Brasiliense, 7º Ed, 1996.

ROCHA, G. Cultura Popular: Do Folclore ao Patrimônio. Revista Mediações (UEL), v. 14, p. 218-236, 2009. Disponível em <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/3358> Acessado em: 02/05/2021.

SANCHIS, P. As religiões dos Brasileiros. Horizonte – Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, Vol. 1, n. 2, p. 28-43, 1997. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/412> Acessado em: 12/02/2021.

SILVA, D. N. "Corpo-seco". Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/folclore/corpo-seco.htm>. Acessado em: 24/06/2021.

______. “Tutu”. Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/folclore/tutu.htm> Acessado em: 24/06/2021.

Sucesso em mais de 40 países, Cidade Invisível terá 2ª temporada na Netflix. Disponível em: <https://noticiasdatv.uol.com.br/noticia/series/sucesso-em-40-paises-cidade-invisivel-e-renovada-para-2-temporada-pela-netflix-> Acessado em: 10/06/2021.

VILHENA, L. R. Projeto e Missão. O Movimento Folclórico Brasileiro, 1947-1964. Rio de Janeiro: Funarte/Fundação Getulio Vargas, 1997.

Downloads

Publicado

30/12/2022

Como Citar

Eles estão entre nós: Uma discussão sobre o folclore brasileiro a partir da série Cidade Invisível. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 5–18, 2022. DOI: 10.24979/ambiente.v15i2.1092. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/1092.. Acesso em: 14 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 75

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.