A relação entre linguagem e mundo nas duas fases do pensamento de Wittgenstein

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v14i1.854

Palavras-chave:

Wittgenstein, Linguagem, Tractatus Logico – Philosophicus, Investigações Filosóficas

Resumo

Temos como objetivo abordar qual modelo de linguagem traz a mais coerente concepção de mundo para Wittgenstein. Analisamos as suas duas principais obras, no Tractatus Logico – Philosophicus (TLP), ele buscou reconhecer uma estrutura lógica que pudesse dar conta do funcionamento da linguagem na representação do mundo. Compreendeu a linguagem como um espelho da realidade, assim, ela é capaz de descrever os fatos do mundo significativamente a partir de uma perspectiva relacional entre os objetos, as coisas e os fatos. A concepção de mundo em Wittgenstein, enquanto “totalidade dos fatos”, ou seja, a estrutura lógica do mundo, determinará, em um passo posterior, a estrutura da linguagem. Desse modo, uma linguagem significativa será possível como descrição do mundo. Já na segunda fase de seu pensamento, nas Investigações Filosóficas, Wittgenstein rompe com a análise que fez no Tractatus. A partir de então, linguagem e mundo se unem pragmaticamente, ela não mais representa o mundo, mas faz parte de sua constituição e se adéqua ao contexto de vivência de acordo com o uso que se faz dela, a relação que há é entre o sujeito, sua comunidade e o mundo. Wittgenstein chama a atividade, do uso da linguagem no contexto de vivência, de jogos de linguagem. Nesse sentido, a linguagem é atrelada às ações humanas, são as Formas de Vida, elas contém regras que determinadas coletividades seguem e, portanto, compreendem múltiplas possibilidades, que dão significados variados ao mundo e engrenam os jogos de linguagem dando sentido à linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisângela Andrade do Nascimento, Universidade Federal de Roraima/UFRR

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal de Roraima.Possui graduação em Filosofia pela Universidade Estadual de Roraima (2019) e graduação em Ciências Sociais com Habilitação em Antropologia Social pela Universidade Federal de Roraima (2012). Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Wittgenstein, linguagem, educação superior indígena e práticas religiosas.

Francico Rafel Leidens, Universidade Estadual de Roraima/UERR

Doutorado e mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas (2011 e 2019) e graduação em Filosofia pela Universidade de Passo Fundo (2007). É professor do Curso de Filosofia da Universidade Estadual de Roraima. Membro do Grupo de Estudos Nietzsche (GEN-UFPel) e da Escola Amazônica de Filosofia. Atua nas áreas de História da Filosofia Moderna e Contemporânea, com ênfase no pensamento de Nietzsche.

Referências

BUCHHOLZ, Kai. Compreender Wittgenstein. Petrópolis: Vozes, 2009.

CARVALHO, Marcelo. O Tractatus: roteiro de leitura a partir de uma ideia básica. In: Sobre o conhecimento, a lógica e a ética. São Bernardo do Campo: Ed. Universidade Metodista, 2008.

CARNEIRO, Maristela. O Primeiro Wittgenstein e sua Obra: o lugar da linguagem em “Tractatus Logico - Philosophicus”. Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia) – Faculdade de Filosofia, Ponta Grossa, 2011.

FAUSTINO, Silvia. O Debate Contemporâneo Sobre a Linguagem. In: Filosofia: conhecimento e linguagem. Org: CARVALHO, Marcelo & CORNELLI, Gabriele. Cuiabá, MT: Central de Textos, 2013.

FREGE, Gottlob. Sobre o Sentido e a Referência. In: Lógica e Filosofia da Linguagem. Org e Trad: ALCOFORADO, Paulo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

LIMA, Francisco Jozivan Guedes de. Wittgenstein e a Delimitação Lógico-Linguística do Mundo no Tractatus. Revista Contemplação, 2015 (12), p.299-310.

LUNA, José Marcos Gomes de. Sentido e Jogos de Linguagem nas Investigações Filosóficas. Trabalho de Conclusão de Curso (Dissertação) – Universidade Federal de Pernambuco. CFCH. Filosofia. Recife, 2009.

MACHADO, José Roney de Freitas. A Construção do Mundo Humano pelos Jogos de Linguagem: da lógica à pragmática wittgensteiniana. Sapere aude – Belo Horizonte, v. 7 – n. 14, p. 845-853, Jul./Dez. 2016 – ISSN: 2177-6342.

MARQUES, Edgar. Wittgenstein e o Tractatus. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Reviravolta Linguístico – Pragmática na Filosofia Contemporânea. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

PEREIRA, Rafael Ferreira de Souza Mendes. Das perguntas wittgensteinianas à pedagogia das competências: ou desmontando a caixa-preta de Perrenoud. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 1, p. 229- 242, jan./mar. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v41n1/1517-9702-ep-41-1-0229.pdf

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da Filosofia, 6: de Nietzsche à escola de Frankfurt. v. 6. São Paulo: Paulus, 2005.

REIS, Maria Fernanda de Moura. O Dicionário para Escolas Primárias de Ludwig Wittgenstein e a Virada Linguística. Trabalho de Conclusão de Curso (Dissertação). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Coleção Os Pensadores XLVI. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractatus Logico-Philosophicus. Tradução: José Arthur Giannotti. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

Downloads

Publicado

2021-05-19

Como Citar

NASCIMENTO, E. A. do; LEIDENS, F. R. A relação entre linguagem e mundo nas duas fases do pensamento de Wittgenstein. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 27–37, 2021. DOI: 10.24979/ambiente.v14i1.854. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/854. Acesso em: 19 jun. 2021.