Parques urbanos como espaços não formais para o ensino da geografia

Estudo de caso Parque Linear do Igarapé Pricumã, Boa Vista/RR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v1i1.913

Palavras-chave:

Parque urbanos, Geografia, Ensino

Resumo

O presente artigo tem por objetivo demonstrar o Parque Linear do Igarapé Pricumã como alternativa para o ensino não formal de Geografia. A área de estudo está localizada na margem direita do Igarapé Pricumã, bairro Cinturão Verde, em Boa Vista- Roraima. A problemática da pesquisa é analisar como o Parque Linear pode ser utilizado como um objeto de estudo para o ensino de Geografia com o objetivo de apresentar os conteúdos de Geografia que podem ser analisados no espaço em que se encontra o Parque Linear. A justificativa da pesquisa se trata em destacar a importância dos espaços não formais para o ensino da Geografia especificando os parques urbanos como ferramentas de ensino para um caráter social, científico e de campo, a metodologia da pesquisa envolveu o método dedutivo e exploratório por descrever um caráter investigativo, bibliográfico e de campo, para análise dos conteúdos de Geografia que podem ser trabalhados no local em que se encontra o Parque Linear. Os resultados demonstram que o Parque tem potencial para se aplicar assuntos de Geografia em que se podem ser analisados, pesquisados e trabalhados como recurso didático para o ensino não formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dalto Alves dos Santos, Universidade Estadual de Roraima/UERR

Atualmente está cursando especialização em Geografia com Enfase no Ensino pela Universidade Estadual de Roraima-UERR. Graduado em Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual de Roraima no ano de 2019. Bolsista pelo Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Subprojeto "Geografia" - PIBID na Escola Estadual Oswaldo Cruz no ano de 2018 e 2019.

Márcia Teixeira Falcão, Universidade Estadual de Roraima/UERR

Graduada em Geografia pela Universidade Federal de Roraima (2001), Mestrado em Recursos Naturais pela Universidade Federal de Roraima (2007) e Doutorado em Biotecnologia e Biodiversidade - Museu Paraense Emílio Goeldi / Universidade Federal do Pará (2016). Atuou como editora-chefe da Revista Ambiente, Gestão e Desenvolvimento. Atualmente é coordenadora do Comitê de ética em Pesquisa da UERR, faz parte do conselho editorial da UERR Edições e editora chefe da Revista Casa de Makunaima, é docente do curso de Geografia e dos programas Stricto Sensu em Geografia/UFRR (Mestrado) e Agroecologia/UERR (Mestrado). É relatora da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em: educação ambiental, geomorfologia, biodiversidade e conservação.

Referências

GIRARD. Polyana. Cinturão verde ganhará praça em formato linear de R $ 1,4 mi. Folha de Boa Vista, Boa Vista-RR, 03 de Setembro de 2019, Disponível em: https://folhabv.com.br/noticia/CIDADES/Capital/Cinturao-Verde-ganhara-praca-em-formato-linear-de-R--1-4-mi--/56969. Acesso em 18 de Novembro de 2020.

FALCÃO. Marcia Teixeira; OLIVEIRA, Sandra Karine Saldanha. Parques Urbanos como Espaços não formais para o ensino da Biogeografia: uma experiência no curso de Biologia em Boa Vista-Roraima. Boa Vista-RR 2017. p, 1.

FALCÃO. M. T.; PINHEIRO. MARIA. N. M.; RODRIGUES. R. F.; SOUZA, K. J. M. A.; Implicações Ambientais Urbanas Decorrentes das Ocupações em Fundo de Vales: um Estudo de Caso na Microbacia do Igarapé Pricumã em Boa Vista/RR. Boa Vista-RR, 2008. p, 11.

GIL, Antonio Carlos, 1946 – como elaborar projetos de pesquisa/Antonio Carlos Gil. 4. Ed. – São Paulo: Atlas, 2002. p, 41-44.

JACOBUCCI, Daniela Franco Carvalho. Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura cientifica. Em Extensão, Urbelândia, V 7. 2008 p, 56.

NOVAIS, Gean Santos de. A Geografia e a Educação não Formal: Construção do Conhecimento Geográfico por meio de Oficina. Bahia, eduECCE, livro 2, 00965. Universidade do Estado da Bahia – Campus V – DCH. 2014, p 1.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

Parque Linear – Obras do Novo ponto turístico e de lazer avançam no Cinturão verde, Prefeitura de Boa Vista, Boa Vista-RR, 23 de Julho de 2020, disponível em: https://www.boavista.rr.gov.br/noticias/2020/07/parque-linear-obras-de-novo-ponto-turistico-e-de-lazer-avancam-no-cinturao-verde. Acesso em: 17 de Novembro de 2020.

QUADRA, Gabrielle Rabello. D´ÁVILA, Sthefane. Educação não Formal: Qual a sua importância? Revista Brasileira de Zoociências 17(2) 22-27. Programa de Pós Graduação em Ecologia, Universidade federal de Juiz de Fora. Minas Gerais. 2016, p 22.

SANTOS. Jonathas Jesus dos. Espaços não formais no ensino de Geografia: a importância do Observatório Astronômico Antares em Feira de Santana/BA. Revista Ensino de Geografia (Recife). V 2, Nº 1, 2019 DOI, p 2.

SANTOS, Milton (1926-2001). A natureza do espaço: Técnica e Tempo, razão e emoção/Milton Santos. – 4 ed. 2. Reimpr. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006. – (Coleção Milton Santos; 1), 1996, p 39.

SANTOS, Milton. Espaço e Método, - São Paulo: Nobel, 1985, p 15.

Downloads

Publicado

22/09/2021

Como Citar

SANTOS, D. A. dos; FALCÃO, M. T. Parques urbanos como espaços não formais para o ensino da geografia: Estudo de caso Parque Linear do Igarapé Pricumã, Boa Vista/RR. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 64–75, 2021. DOI: 10.24979/ambiente.v1i1.913. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/913. Acesso em: 17 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)