A educação escolar indígena como objeto de pesquisa

Caminhos possíveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v1i1.1079

Palavras-chave:

Pesquisas científicas, Caminhos metodológicos, Revisão de literatura, Abordagens de pesquisa

Resumo

A Educação Escolar Indígena tem sido alvo de estudos no Brasil nos últimos anos. Uma pesquisa ao acervo da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações - BDTD, revelam pelo menos 1.200 pesquisas voltadas para a temática, cujo crescimento anual é uma característica. Diante do interesse pelo assunto, este artigo surge com a proposta de apresentar metodologias utilizadas por pesquisadores ao desenvolverem estudos científicos no Brasil considerando a temática Educação Escolar Indígena - EEI. Para tanto, foram selecionadas nove pesquisas de doutorado disponíveis no banco da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações defendidas no período de 2015 a 2020 para dar suporte as análises deste trabalho. Neste sentido, buscou-se identificar as bases metodológicas que sustentaram essas pesquisas, bem como possibilidades de abordagem do tema, por meio da realização uma revisão de literatura com foco nos percursos metodológicos trilhados pelos pesquisadores apontados nos estudos. Como resultados, destacam-se similaridades no que tangem a forma de abordagem e a natureza das pesquisas e diversidades, no que concerne aos procedimentos metodológicos utilizados nas produções.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Mara Rykelma da Costa Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre/IFAC

    Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica de Educação em Ciência e Matemática (REAMEC) polo da Universidade Estadual do Amazonas/UEA. Mestre em Matemática (ProfMat) pela Universidade Federal do Acre/UFAC. Licenciada em Matemática pela Universidade Federal do Acre/UFAC. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre/IFAC.

  • Josefina D. Barrera Kalhil, Universidade Estadual do Amazonas/UEA

    Pós-doutorado em Didática da Física, Mexico. Doutorado em Ciências Pedagógicas (Educação) pela Universidade da Havana. Mestrado em Ciências da Educação Superior pela Universidade de Matanzas, Cuba (Homologado pela Universidade Federal da Bahia). Graduada em Licenciatura em Física, em Matanzas, Cuba. Professora na Universidade do Estado do Amazonas - UEA, Manaus, Brasil.

  • Laura Isabel Marques Vasconcelos de Almeida, Universidade de Cuiabá e REAMEC

    Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná/PUCPR. Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso. Especialização em Didática e Avaliação Educacional pela Universidade Federal de Mato Grosso. Graduada em Pedagogia pela Universidade de Cuiabá. Professora Permanente dos Programas de Pós-Graduação Doutorado em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM) da Rede Amazônica de Educação em Ciências (REAMEC) e Mestrado em Ensino da Universidade de Cuiabá/UNIC.

  • Vilma Luísa Siegloch Barros, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre/IFAC

    Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica de Educação em Ciência e Matemática pela Universidade Estadual do Amazonas/UEA. Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal do Acre/UFAC. Licenciada em Matemática pela Universidade Federal do Acre/UFAC. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre/IFAC.

Referências

BDTD. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações. Disponível em: <https://bdtd.ibict.br/vufind/> Acesso em: dez. 2021.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília: DF, 23 dez 1996.

CORRÊA, A. L. M. O. Percursos de resiliência e identidade em histórias, memórias e experiências de alfabetizadores (as) indígenas em Roraima. 2019. 177f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2019.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução Luciana de Oliveira da Rocha. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

GATTI, B. A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa. São Paulo, v.30, n.1, p. 11-30, jan./abr. 2004.

GERHARDT, T. E; SILVEIRA, D. T. (orgs). Métodos de pesquisa. Série Educação a Distância. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

LÓPEZ, Nelly. SANDOVAL, Irma. Métodos y técnicas de investigación cuantitativa y cualitativa. 2016. Disponível em: <http://recursos.udgvirtual.udg.mx/biblioteca/bitstream/20050101/1103/1/Metodos_y_tecnicas_de_investigacion_cuantitativa_y_cualitativa.pdf> Acesso em: jan. 2022

MADERS, S. Educação Escolar Indígena, Intercultura e Formação de Professores (as). 2017. 181f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2017.

MAROLDI, A. M. Estudos bibliométricos sobre educação indígena: frente de pesquisa, vida média e obsolescência da literatura citada em teses e Dissertações. 2017. 205f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2017.

MARQUI, A. R. Relações entre infância, escola e religião: etnografia dos baniwa do Médio Içana. 2017. 185f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2017.

MAZONI, L. M. A. de S. O ensino de português para os Kadiwéu – realidade, desafios e estratégias para professores indígenas. 2019. 130f. Tese (Doutorado em Letras Clássica e Vernáculas) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

MEDEIROS, J. S. & coautores. As escolas do Serviço de Proteção aos Índios em Postos Indígenas kaingang: entre os documentos oficiais e as vozes dos kófa (1940-1967). 2020. 337f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

MINAYO, M. C. de S. (org.) Pesquisa social: teoria, métodos e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

NEVES, V. F. A. Pesquisa-ação e Etnografia: Caminhos Cruzados. Pesquisas e Práticas Psicossociais, v. 1, n. 1, São João del-Rei, jun. 2006.

ORELLANA, A. D. A. Y. A Produção Acadêmica em Educação Escolar Indígena no Brasil: autorias, tendências e perspectivas -1980 a 2017. 2019. 150f. Tese (Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SÁ, M. A. de. Educação e escolarização da criança indígena com deficiência em Terra Indígena Araribá. 2015. 183f. Tese (Doutorado em Educação Especial) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

SAMPIERI, R. H; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodología de la Investigación. 4ª ed. Mc Graw Hill, 2006.

SILVA, B. S. da. Currículos e identidades: tiroteio narrado ao som do maracá. 2017. 345f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez & Associados, 1986.

Downloads

Publicado

28/07/2022

Como Citar

A educação escolar indígena como objeto de pesquisa: Caminhos possíveis. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 66–78, 2022. DOI: 10.24979/ambiente.v1i1.1079. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/1079.. Acesso em: 27 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

11-20 de 327

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)