Comparação entre tecnologias de recuperação energética de resíduos sólidos urbanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v1i1.924

Palavras-chave:

Energia, Incineração, Metano, RSU

Resumo

O presente estudo trata de uma análise do potencial de recuperação energética de resíduos sólidos urbanos (RSU) e sua consequente redução nas emissões de gases de efeito estufa (GEE). Para o estudo, considerou-se uma produção diária de 330 toneladas de RSU e estimou-se a geração de energia elétrica pela incineração e pela recuperação de metano em aterro sanitário. A geração estimada de metano foi obtida por meio do modelo LandGEM 3.02 e o PCI dos RSU foi calculado por meio da lei de Dulong-Petit. As emissões de GEE foram estimadas de acordo com a metodologia proposta pela UNFCCC (2018). Os resultados mostraram que a incineração dos RSU geraria 77.500 MWh.ano-1 de eletricidade e evitaria a emissão de 22.250 t CO2.ano-1. A recuperação de metano de aterro geraria 23.500 MWh.ano-1 de eletricidade e evitaria a emissão de 12.500 t CO2.ano-1. Assim, em termos de recuperação energética, a incineração foi mais vantajosa, porém a escolha de tecnologias envolve, além de questões técnicas relativas à eficiência do processo, questões ambientais, sociais, políticas e econômicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRELPE – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil – ano base 2013. São Paulo: ABRELPE, 2014.

___________. ano base 2014. São Paulo: ABRELPE, 2015.

___________. ano base 2015. São Paulo: ABRELPE, 2016.

___________. ano base 2016. São Paulo: ABRELPE, 2017.

___________. ano base 2017. São Paulo: ABRELPE, 2018.

___________. ano base 2018/2019. São Paulo: ABRELPE, 2020.

ANACONDA AMBIENTAL E EMPREENDIMENTOS LTDA. (Brasil). Projeto de gás do aterro Anaconda. 5. ed. Santa Isabel: Mdl - Conselho Executivo, 2006. 45 p.

BARROS, Regina Mambeli; TIAGO FILHO, Geraldo Lúcio; SILVA, Tiago Rodrigo da. The electric energy potential of landfill biogas in Brazil. Energy Policy, [s.l.], v. 65, p. 150-164, 2014.

BRASIL. Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima. Plano Nacional Sobre Mudança do Clima. Brasília: SMCQ, 2008.

BRASIL. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2010.

___________. Ministério do Meio Ambiente. Proposta doPlano nacional de resíduos sólidos. Brasília: MMA, 2012.

___________. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Governo Federal. Fatores de Emissão de CO2 pela geração de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional do Brasil - Ano Base 2018. 2019. Disponível em: https://antigo.mctic.gov.br/mctic/opencms/ciencia/SEPED/clima/arquivos/emissoes_co2/Despacho_2018_ano_todo.xlsx. Acesso em: 19abr. 2020.

CHANDEL, Munish K; KWOK, Gabriel; JACKSON, Robert B; PRATSON, Lincoln F. The potential of waste-to-energy in reducing GHG emissions. Carbon Management, [S.L.], v. 3, n. 2, p. 133-144, abr. 2012.

DALMO, Francisco César et al. Energy recovery overview of municipal solid waste in São Paulo State, Brazil. Journal Of Cleaner Production, [s.l.], v. 212, p. 461-474, 2019.

EPA – United States Environmental Protection Agency.Landfill Gas Emissions Model (LandGEM) Version 3.02 User’s Guide. Washington, 2005. 56 p.

EPE – Empresa de Pesquisa Energética. Ministério de Minas e Energia. Inventário energético dos resíduos sólidos urbanos. Rio de Janeiro: EPE, 2014.

KIM, Viviane Jin Hee. Análise da composição gravimétrica dos resíduos domiciliares de São Carlos (SP). Dissertação (Mestrado) – Curso de Hidráulica e Saneamento, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2019, 168 f.

POLI, D. C. R.; ZANCHETA, M. N.; BOARI, Z. M.; MELDONIAN, N. L.; MOURA, C. L.; JIURGIU, P. A. Dora de Castro Rubio; et al. Uma avaliação das metodologias para determinação do poder calorífico dos resíduos sólidos urbanos. Revista de Ciências Exatas e Tecnologia, [s.i.], v. 8, n. 8, p. 9-31, 17 jun. 2014.

UNFCCC – United Nations Framework Convention on Climate Change. Methodological tool: Tool to calculate the emission factor for an electricity system. v. 7, 2018.

Downloads

Publicado

31/08/2021

Como Citar

OLIVO, G. de L.; RIZK, M. C. Comparação entre tecnologias de recuperação energética de resíduos sólidos urbanos. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 1, n. 1, 2021. DOI: 10.24979/ambiente.v1i1.924. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/924. Acesso em: 25 set. 2021.