Epistemologia das memórias no ensino de Matemática

Autores

  • Luciana Lyra Loureiro
  • Herman Sombra França
  • Elialdo Rodrigues de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.24979/224e0641

Palavras-chave:

Epistemologia, Memórias, Matemática, Ensino

Resumo

O presente artigo é uma pesquisa qualitativa-descritiva, realizada através de questionário baseado no relato de uma pedagoga que relatou lembranças vivenciadas nas aulas de matemática em dois momentos: como aluna em idade dos 7 aos 9 anos e como professora do Ensino Fundamental (EF). Objetiva analisar a construção epistemológica do ensino da matemática nos anos iniciais do EF a partir dos relatos da professora, buscou-se compreender as relações entre suas experiências escolares e sua práxis. Durante a coleta, os relatos indicam que vivências das aulas de matemática foram reproduzidas pela professora por inexperiência e falta de formação continuada, contudo, foram substituídas, por classificá-las inócuas no processo educacional. Evidenciou-se a necessidade de aprimoramento profissional através de reflexões e participações nas formações continuadas. Concluiu-se que a epistemologia das memórias da professora no ensino da matemática contribuiu para seu desenvolvimento contínuo através da reflexão sobre suas vivências, criando ambiente favorável ao processo de ensino-aprendizagem dos discentes.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

CASTANÕN, Gustavo. Introdução à epistemologia. São Paulo: EPU, 2007.

GABRIEL, Gilvete de Lima. Narrativa autobiográfica como prática de formação continuada e de atualização de si: os grupos-referência e o grupo reflexivo na mediação da construção identitária o docente /Gilvete de Lima Gabriel. 1. ed. – Curitiba, PR: CRV, 2011.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

FAYOL, Michel. Numeramento: aquisição das competências matemáticas. Michel Fayol; tradução Marcos Bafno. – São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 62 ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.

MOITA, Maria da Conceição. Percurso de formação e de trans-formação. Org.: Nóvoa, António. In: Vida de professores. 2ª edição. Lisboa: Porto Editora, 1995.

MUNIZ, Cristiano Alberto. Brincar e Jogar: enlaces teóricos e metodológicos no campo da educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

NÓVOA, António. Concepções e práticas de formação contínua de professores. In Formação Contínua de Professores - Realidades e Perspectivas. Aveiro: Universidade de Aveiro, 1991, pp. 15-38.

PAIS, Luiz Carlos. Didática da Matemática, uma análise da influência francesa / Luiz Carlos Pais. 3.ed. – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

PASSEGGI, M. C. (2008). Mediação biográfica: figuras antropológicas do narrador e do formador. In M. C. PASSEGGI (Org.), Memórias, memoriais: pesquisa e formação docentes (43-58). Natal, RN:EDUFRN; São Paulo: Paulus.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

RICHARDSON, R.J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 Ed., São Paulo: Atlas, 2007.

Downloads

Publicado

31/10/2023

Como Citar

Epistemologia das memórias no ensino de Matemática. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], p. 76–92, 2023. DOI: 10.24979/224e0641. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/1209.. Acesso em: 27 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 126

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)