O desafio da Telepsicologia para pacientes idosos não alfabetizados no município de Alto Alegre/RR

Autores

  • Jessik Karem Custódio Pereira Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Daniela Mayer Antunes Universidade Tecnológica Federal do Paraná https://orcid.org/0000-0002-6287-4032
  • Marilene Kreutz de Oliveira Universidade Estadual de Londrina https://orcid.org/0000-0003-1154-7442
  • Eloiza Aparecida Silva Avila de Matos Universidade Tecnológica Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v16i1.1193

Palavras-chave:

Telepsicologia, Idoso, Atendimento psicológico remoto, COVID-19

Resumo

Este trabalho apresenta as condições do atendimento psicológico realizado na modalidade teleremota (ou modalidade de telepsicologia) para pacientes idosos que testaram positivo para COVID-19 no município de Alto Alegre/RR, usando o Aconselhamento Psicológico para atender aos anseios desse público, considerando sua condição de saúde e nível de escolaridade formal. A verificação através de pesquisas realizadas por muitos autores confirma a necessidade de uma atenção mais especializada a esta parcela da população, apontando principalmente o papel social do idoso, a importância da família na terceira idade bem como a atuação do profissional de psicologia que pode acontecer através de atendimentos clínicos, terapias grupais, entre outras que se pode realizar com o intuito de melhorar a qualidade de vida deste indivíduo, resgatar sua história de vida dentro do contexto em que se encontra e delimitar ou projetar metas para seu futuro. É importante conhecer o grupo da terceira idade a fim de melhorar os tratamentos já dispensados à essa população que vem crescendo gradualmente tanto em quantidade quanto em tempo de vida e que neste momento pandêmico está sendo assolado de diversas formas apresentando assim comprometimento maior em sua saúde física e emocional e também em sua qualidade de vida. Os resultados da pesquisa apresentam indícios de que o atendimento remoto ofertado foi satisfatório com a amostra de idosos analfabetos participantes, pois os aproximou do profissional capaz de ajustar as expectativas geradoras de angústia e a buscar soluções em conformidade com a sua realidade

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

ALMEIDA, José Ricardo Pires. História da instrução pública no Brasil: 1500 a 1889. São Paulo: Educ; Brasília: INEP-MEC, 1989. Edição original em francês.

ARANTES, A. C. Q. et al. Saúde mental e atenção psicossocial na pandemia COVID-19: recomendações aos trabalhadores e cuidadores de idosos. Rio de Janeiro: Fiocruz/CEPEDES, 2020. Cartilha. 14p. Disponível em: <https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/41686>. Acesso em: 20 jul. 2020.

BARBOSA, E. F. Instrumentos de Coleta de Dados em Projetos Educacionais. Publicação do Instituto de Pesquisas e Inovações Educacionais – Educativa, 2005.

BRASIL. LEI N° 13.005/2014 - Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: DF, 2014.

BRASIL, Mapa do analfabetismo no Brasil. Ministério da Educação/INEP. s.d.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. [Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana]. Diário Oficial da União: Seção 1, n. 98, p. 44, 24 mai. 2016b. Disponível em: <https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&data=24/05/2016&pagina=44>. Acesso em: 16 fev. 2023.

BRASIL. Lei Nº. 10.741 de 01 de outubro de 2003. Estatuto do Idoso. Brasília: 2004.

CAMPOS, M. O.; NETO, J. F. R. Qualidade de Vida: Um Instrumento para Promoção de Saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 32, n. 2, p. 232-40, maio/ago. 2008.

CFP. Resolução nº003/2000. Regulamenta o atendimento psicoterapêutico mediado por computador.

CFP. Resolução n° 012/2005. Regulamenta o atendimento psicoterapêutico e outros serviços psicológicos mediados por computador e revoga a Resolução CFP N° 003/2000.

CFP. Resolução n° 011/ 2012. Regulamenta os serviços psicológicos realizados por meios tecnológicos de comunicação a distância, o atendimento psicoterapêutico em caráter experimental e revoga a Resolução CFP N.º 12/2005.

CFP. Resolução nº11/2018. Regulamenta a prestação de serviços psicológicos realizados por meios de tecnologias da informação e da comunicação e revoga a Resolução CFP N.º 11/2012.

CÔRTE, B. Biotecnologia e Longevidade: o Envelhecimento Como Um Problema Solucionável?. In: CÔRTE, B.; MERCADANTE, E. F.; ARCURI, I. G. (Org.). Velhice Envelhecimento Complex (idade) ...Psicologia, Subjetividade, Fenomenologia, Desenvolvimento Humano, Morte, Longevidade, Bioética, Biotecnologia, Corporeidade, Saúde, Gênero, Família, Natureza, Cultura, Velhice, Violência...São Paulo: Vetor, 2005.

CONCONE, M. H. V. B. O Corpo: Cultura e Natureza. Pensando a Velhice. In: CÔRTE, B., MERCADANTE, E. F.; ARCURI, I. G. (Org.). Velhice Envelhecimento Complex (idade)... Psicologia, Subjetividade, Fenomenologia, Desenvolvimento Humano, Morte, Longevidade, Bioética, Biotecnologia, Corporeidade, Saúde, Gênero, Família, Natureza, Cultura, Velhice, Violência...São Paulo: Vetor, 2005.

Epidemiology Working Group for NCIP Epidemic Response, Chinese Center for Disease Control and Prevention. Zhonghua Liu Xing Bing Xue Za Zhi. v. 41, n. 2, p. 145-151, 2020.

FERRARO, A. R.; KREIDLOW, D. Analfabetismo no Brasil: configuração e gênese das desigualdades regionais. Educação e Realidade, v. 29, n. 2, p. 179-200, jul/dez, 2004.

FLETCHER-TOMENIUS, L.; VOSSLER, A. (2009). Trust in online therapeutic relationships: The therapist’s experience. Counselling Psychology Review, 24(2), 24-34. 2009.

FRANÇA, L. H. F. P; SOARES, D. H. P. Preparação para a Aposentadoria como Parte da Educação ao Longo da Vida. Revista de Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 29, n. 4, p. 738-751. 2009.

FREITAS, M. C. de; QUEIROZ, T. A.; SOUSA, J. A. V. de. O Significado da Velhice e da Experiência de Envelhecer para os Idosos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 407-12. Jul./ Abr. 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GONÇALVES, E. P. Iniciação à pesquisa científica. Campinas, SP: Editora Alínea, 2001.

HAMMERSCHMIDT, K. S. de A; SANTANA, R. F. Saúde do idoso em tempos de pandemia COVID-19. Cogitare enfermagem. [Internet]. 2020. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2020.

IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2016-2018. junho de 2019.

JORNAL PSI. Resolução restringe psicoterapia pela Internet a pesquisas. (Março/Abril de 2000). 18(121).

LIMA, S. O. et al. Impactos no comportamento e na saúde mental de grupos vulneráveis em época de enfrentamento da infecção COVID-19: revisão narrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde / Electronic Journal Collection Health. ISSN 2178-2091. REAS/EJCH. Vol. Esp. 46. 2020. Disponível em: DOI: <https://doi.org/10.25248/reas.e4006. 2020>. Acesso em: 07 mar. 2021.

MENDES, et al. A Situação Social do Idoso no Brasil: Uma Breve Consideração. São Paulo, 2005. Disponível em: < http: // www.scielo.br/pdf/ape/v18n4/a11v18n4.pdf >. Acesso em: 07 mar 2021.

OLIVEIRA, E. S.; MORAIS, A. C. L. N. COVID-19: uma pademia que alerta à população. Convid-19 in debate. Interamerican Journal of Medicine and Health. Vol.3.2020. Disponível em: ˂ https://iajmh.com/iajmh/article/view/80/77 ˃. Acesso em: 17 jul. 2020.

OMS. Coronavírus. 2019. Disponível em: <https://www.who.int/health-topics/coronavirus#tab=tab_2>. Acesso em: 20 ago. 2020.

PIETA, M. A. M.; GOMES, W. B. Psicoterapia pela Internet: viável ou inviável? Psicol. Cienc. Prof. v. 34, n.1, Brasília Jan./mar. 2014.

PIRES, L. N.; CARVALHO, L.; XAVIER, L. L. COVID – 19 e desigualdade: a distribuição dos fatores de risco no Brasil. Experiment Findings: abril, 2020. Disponível em: ˂ https://www.researchgate.net/publication/340452851_COVID-19_e_Desigualdade_no_Brasil>. Acesso em: 22 jul. 2020.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico– 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

QUARESMA, M. de L. B. Envelhecimento: Questões de Gênero. In: CORTÊ, B., MERCADANTE, E. F., ARCURI, I. G. (Org.). Envelhecimento e Velhice: Um Guia para a vida. São Paulo: Vetor, 2006.

SIQUEIRA, C. C.; SIMON, R.; RUSSO, M. N. Telepsicologia no Brasil - desafios e novas perspectivas. Em E. Grande, Cuerpo y subjetividad. Ciudad Autónomas de Buenos Aires, Argentina: Asociación Argentina de Salud Mental. p. 94-95, 2014.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C.F.; LÚCIO. B. Metodologia de Pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-hill, 2006.

SILVA, M. C. B.; TAAM, R. O idoso e os desafios à sua educação escolar. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA PPE, I. Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 2009.

TRINDADE, I.; TEIXEIRA, J. A. Carvalho. Aconselhamento psicológico em contextos de saúde e doença – Intervenção privilegiada em psicologia da saúde. Análise Psicológica, v.1, n. XVIII; p.3-14, 2000.

Downloads

Publicado

26/05/2023

Como Citar

O desafio da Telepsicologia para pacientes idosos não alfabetizados no município de Alto Alegre/RR. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 18–28, 2023. DOI: 10.24979/ambiente.v16i1.1193. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/1193.. Acesso em: 20 abr. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 52

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)