Trabalhando mapas conceituais no ensino superior

Uma experiência na disciplina de introdução à análise matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v1i1.1085

Palavras-chave:

Ensino Superior, Mapas Conceituais, Aprendizagem, Matemática

Resumo

Este artigo objetivou analisar os impactos causados na aprendizagem dos alunos por meio da utilização de mapas conceituais como recurso pedagógico nas aulas da disciplina de Introdução à Análise. A pesquisa foi desenvolvida em uma turma do curso de Licenciatura em Matemática de uma universidade pública no interior do Estado do Amazonas e envolveu 10 acadêmicos. Dentro do paradigma qualitativo adotou-se o método de estudo de caso e para a coleta dos dados questionário e a observação. Constatou-se que os mapas conceituais auxiliam na aprendizagem visto que no processo de elaboração os alunos expressam dúvidas e domínio em relação ao conteúdo estudado o que contribui para uma autorreflexão sobre o que precisa ser intensificado e o que de fato já foi compreendido. Quanto ao professor permite verificar através das associações e estrutura hierárquica organizada em que são dispostos os significados no mapa pelos alunos se a aprendizagem está ocorrendo possibilitando um redirecionamento da prática docente para trabalhar com conceitos ainda não assimilados.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Sabrina de Souza Rodrigues, Universidade do Estado do Amazonas/UEA

    Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, PPGECEM - REAMEC. Mestra em Matemática pela Universidade Federal do Amazonas; Especialização em Ensino de Matemática e Graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade do Estado do Amazonas - UEA. Professora da Universidade do Estado do Amazonas - Centro de Estudos Superiores de Tefé.

Referências

AUSUBEL, David Paul.; NOVAK, Joseph Donald; HANESIAN, Helen. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Editora Interamericana, 1980.

ÁVILA, Geraldo. Análise Matemática para Licenciatura. 3 ed. São Paulo: Edgard Blücher,2006.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BORBA, Marcelo de Carvalho. Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

CRESWELL, John. W. Projeto de Pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre. Editora: Artmed. 3ª Edição. 2010.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação Matemática: da Teoria à Prática. Campinas: Papirus, 2012.

FONTANA, Felipe. Técnicas de pesquisa. In: MAZUCATO, T. (org.). Metodologia da pesquisa e do trabalho científico. Penápolis, SP: FUNEPE, 2018. p. 59-78.

KRAUSE, João Carlos.; ANDREOLA, Charline da Silva.; CONTRI, Rozelaine. Usando Mapas Conceituais para uma Aprendizagem Significativa de Geometria. Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Matemática. v. 3, n. 3, p. 868-889, 2020.

MELO, Marcelo Ferreira de. Os desafios da Análise Matemática em um curso de Licenciatura a Distância. EaD em Foco, p. 1-9, 2019.

MENEGOLLA, Angela Maria. Mapas Conceituais como Instrumento de Estudo na Matemática. 101 f., 2006. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática), Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil, 2006.

MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. 2012. Disponível em: <http://www.if.ufrgs.br/~moreira/>. Acesso em: 06 jan. 2022.

MOREIRA, Marco Antonio. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. 1. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2006.

MOREIRA, Plinio Cavalcanti; VIANNA, Carlos Roberto. Por Que Análise Real na Licenciatura? Um Paralelo entre as Visões de Educadores Matemáticos e de Matemáticos. Bolema: Boletim de Educação Matemática. v. 30, n. 55, p. 515-534, 2016.

MOTA, Janine da Silva. Utilização do Google Forms na pesquisa acadêmica. Revista Humanidade e Inovações, Palmas, v.6, n. 12, p. 371-380, 2019.

NOVAK, Joseph. Donald.; CAÑAS, Alberto José. A teoria subjacente aos mapas conceituais e como elaborá-los e usá-los. Práxis Educativa, v. 5, n. 1, p. 9-29, 2010.

NOVAK, Joseph. Donald., GOWIN, Dixie Bob. Aprender a Aprender. Paralelo Editora, LDA. Lisboa, 1984.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, María del Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. Trad.: Daisy Vaz Moraes. 5 ed. Porto Alegre: Penso, 2013. 624p.

STEFENON, Leticia Oberoffer; MOREIRA, Marco Antônio; SAHELICES, Concesa Cabellero Sahelices. O uso de mapas mentais para a compreensão da relação de matemática e física na engenharia ambiental e sanitária. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 12, n. 3, p. 223-240, 2019.

TAVARES, Romero. Construindo mapas conceituais. Ciências & Cognição, v.12, p.72-85, 2007.

VIEIRA, André Ricardo Lucas. Mapas conceituais no ensino de matemática: experiência na educação de jovens e adultos. Revista Exitus. v. 10, n. 1, p. 1-26, 2020.

Downloads

Publicado

28/07/2022

Como Citar

Trabalhando mapas conceituais no ensino superior: Uma experiência na disciplina de introdução à análise matemática. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 120–131, 2022. DOI: 10.24979/ambiente.v1i1.1085. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/1085.. Acesso em: 4 mar. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 139

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.