Agrotóxicos em água do rio e água tratada no Município de Encantado/RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v14i2.967

Palavras-chave:

sustentabilidade, legislação, saúde humana, impacto ambiental

Resumo

Os atuais sistemas de produção intensiva de alimentos, com uso de poucas cultivares em extensos monocutivos, associado ao uso intenso de agrotóxicos e fertilizantes químicos, vem contaminando recursos naturais, especialmente os recursos hídricos, modificando suas características e, consequentemente gerando desequilíbrio ambiental e na saúde humana. Assim, o presente trabalho teve como objetivo analisar água tratada e não tratada do rio Taquari na cidade de Encantado/RS, durante o período de verão e inverno, com intuito de verificar a presença de princípios ativos de agrotóxicos. O método de pesquisa compreendeu duas etapas de coleta de água, na safra de verão e inverno, e posterior análises no Laboratório de Análises de Resíduos de Pesticidas da Universidade Federal de Santa Maria (LARP/UFSM). Os resultados mostram a presença dos seguintes princípios ativos atrazina em água tratada e não tratada, o qual é um herbicida utilizado principalmente em lavouras de milho na região; em agua não tratada foi identificado imidacloprido e clorpirifós, inseticidas utilizados em culturas de soja, fumo, milho, trigo e citros; carbendazim, fungicida empregado no controle de doenças em cereais e frutas e tebuconazol, fungicida empregado nas culturas de grãos. Pode-se considerar que, embora a quantidade de resíduo tenha ficado abaixo do limite máximo permitido (LMP) de segurança estabelecido pela legislação brasileira atual, não é possível assegurar baixos riscos para a saúde humana e ambiental, pois os agrotóxicos têm comprovadamente efeitos agudos e crônicos, agravados pela constante exposição, sendo a reflexão atual e apropriada, bem como sugere-se a continuidade das pesquisas e análises.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenice Andréa Kronbauer, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Cientista de Alimentos, Especialista em Agroecologia e Produção Orgânica

Elaine Biondo, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Ciência Biológicas pela Universidade Federal de Santa Maria (1997), mestrado em Curso de Pós-graduação em Zootecnia pela Universidade Federal de Santa Maria (2000) e doutorado em Programa de Pós-graduação em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004). Na Unidade da Uergs em Encantado, atuando desde 2004, no Cursos de Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos ministrando disciplinas na área de Ciências da Vida e do Meio Ambiente. Curadora do Herbário UENC da UERGS Encantado. Atuando na área de Agroecologia e Transição agroecológica - pesquisa a organização e tecnologias para a transição agroecológica no Vale do Taquari, além da dinâmica da cadeia de comercialização de produtos orgânicos, auxiliando na transição agroecológica. Também atua na extensão com o fomento da Produção de base ecológica nas comunidades. escolas, conscientizando sobre o tema. Coordena o Núcleo de Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica no Território Rural Vale do Taquari. Na Linha de Pesquisa Conservação e Manejo da Biodiversidade do Mestrado Profissional em Ambiente e Sustentabilidade na Uergs Hortências, atua na caracterização biológica, sistemática, genética e nutricional de plantas alimentícias não convencionais e plantas nativas com potencial alimentar e ornamental. Orienta no Mestrado Profissional em Ambiente e Sustentabilidade, Linha de Pesquisa: Conservação e Manejo da Biodiversidade. Ministra a disciplina eletiva Biodiversidade e Valorização de Plantas Nativas no Rio Grande do Sul. Atua na Especialização em Agroecologia e Produção Orgânica orientando no tema Agrobiodiversidade e Plantas alimentícias não convencionais. Mãe de Valentina 11 anos e de Augusto 8 anos.

Cândida Zanetti, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Mestre em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Bacharel em Desenvolvimento Rural e Gestão Agroindustrial pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Professora da Faculdade La Salle Estrela-RS no curso Tecnólogo em Agronegócios. Atuou como Assessora Territorial de Inclusão Produtiva no Núcleo de Extensão em Desenvolvimento Territorial do Vale do Taquari entre 2015 a 2017. Áreas de interesse: desenvolvimento territorial; agricultura familiar; agroecologia; sucessão rural familiar; agrobiodiversidade.

Eliane Maria Kolchinski, Universidade Estadual do Rio GRande do Sul

Possui graduação em Agronomia pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (1997), mestrado em Agronomia pela Universidade Federal de Pelotas (2000) e doutorado em Agronomia pela Universidade Federal de Pelotas (2003). Atualmente é professora adjunta da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Agronomia, atuando principalmente nos seguintes temas: agricultura familiar, desenvolvimento territorial e agroecologia. 

Referências

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 9897: planejamento de amostragem de efluentes líquidos e corpos receptores. Rio de Janeiro, 1987.

AGOSTINI, Cíntia. Plano estratégico de Desenvolvimento do Vale do Taquari 2015-2030. Lajeado: Editora Univates, 1° ed., 2017. 220p.

ANA Agência Nacional das Água. Séries Históricas de Estações. Hidroweb Brasília, DF, 2019. Disponível em: < http://www.snirh.gov.br/hidroweb/publico/fale_conosco.jsf>. Acesso em 20 de ago. de 2019

ARANHA, Ana; ROCHA, Luana. “Coquetel” com 27 agrotóxicos foi achado na água de 1 em cada 4 municípios – consulte o seu. Agência Pública/Repórter Brasil, 2019. Disponível em: https://apublica.org/2019/04/coquetel-com-27-agrotoxicos-foi-achado-na-agua-de-1-em-cada-4-municipios-consulte-o-seu/. Acesso em: 06 out 2020.

BILA, Daniele Maia; DEZOTTI, Márcia. Desreguladores endócrinos no meio ambiente: efeitos e consequências. Química nova, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 651, 2007.

BOMBARDI, Larissa Meis. Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Européia. São Paulo: Laboratório de Geografia Agrária, FFLCH, USP, 2017. (Revisado em julho de 2019).

BOUDINA, A. et al. Photochemical behaviour of carbendazim in aqueous solution. Chemosphere, Oxford, v. 50, n. 5, p. 649-655, 2003.

BRAGA, Fernando Pinto. Avaliação do desempenho de uma estação de tratamento de água do município de Juiz de Fora–MG. 2014. Trabalho de conclusão de Curso. Universidade Federal de Juiz de Fora, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria SNVS nº 03, de 16 de janeiro de 1992: Ratifica as " Diretrizes e orientações referentes à autorização de registros, renovação de registro e extensão de uso de produtos agrotóxicos e afins-nº 1, de 09/12/91". Disponível em: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/svs1/1992/prt0003_16_01_1992.html>

Acesso em 26 jun 2021.

BRASIL. Decreto n. 4.074, de 4 de janeiro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Portaria de consolidação nº 5, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2017.

BRIGHENTI, Alexandre Magno et al. Persistência e fitotoxicidade o herbicida atrazina aplicado na cultura do milho sobre a cultura do girassol em sucessão. Planta Daninha, Viçosa, v.20, n.2, p.291-297, 2002.

CARMO, Diego. Almeida. et al. Comportamento ambiental e toxidade dos herbicidas atrazina e simazina. Revista Ambiente & Água, Taubaté, v. 8 n. 1, p. 133-143, 2013.

CARNEIRO, Fernando Ferreira et al. (Org.) DOSSIÊ ABRASCO: Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular: Rio de Janeiro/São Paulo, 2015. 615 p.

CASSAL, Vivian Brusius et al. Agrotóxicos: uma revisão das suas consequências para a saúde pública. REGET/UFSM, Santa Maria, v.18, n.1, p.437-445, 2014.

COSTA, João Paulo Reis; LUCAS, Evandro de Oliveira. Leite e agrotóxicos: uma mistura que não deveria combinar. Brasil de Fato, Porto Alegre, 2021. Disponível em: https://www.brasildefators.com.br/2021/02/11/artigo-leite-e-agrotoxicos-uma-mistura-que-nao-deveria-combinar. Acesso em: 21 mai. 2021.

CURTI, Suzana Moreira Muniz. Desenvolvimento de um método analítico para quantificação de resíduos de carbendazim em sucos de laranjas. Desenvolvimento de um método analítico para quantificação de resíduos de carbendazim em sucos de laranjas. 2014. 29 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campo Mourão, 2014.

DHILLON, Amanpreet S. et al. Pesticide/Environmental exposures and Parkinson’s desease in east Texas, Journal of Agromedicine, United Kindong, vol.13, n.1, 37-48, 2008.

DIAS, Alexandre Pessoa et al. Agrotóxicos e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2018. 120 p.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Soja em números (safra 2018/19). Londrina, PR, jun. 2019. Disponível em: < https://www.embrapa.br/soja/cultivos/soja1/dados-economicos>. Acesso em 13 de set. de 2019.

FABIO, André Cabette, FREITAS, Hélen, ARANHA, Ana. Brasil é o 2° maior comprador de agrotóxicos proibidos na Europa, que importa alimentos produzidos com estes químicos. Agência Pública/Repórter Brasil, 2020. Disponível em < https://apublica.org/2020/09/brasil-e-2o-maior-comprador-de-agrotoxicos-proibidos-na-europa-que-importa-alimentos-produzidos-com-estes-quimicos/.>. Acesso em 10 nov 2020.

FARAG, Amina et al. Developmental Toxicity of Fungicide Carbendazim in Female Mice. Birth Defects Research Part B, Developmental and Reproductive Toxicology, United Kindong, 92, 122-130, 2011.

FEPAM. Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler – RS. Qualidade Ambiental. Rio Taquari & Antas. Porto Alegre, RS, 2019. Disponível em: http://www.fepam.rs.gov.br/qualidade/taquariantas.asp. Acesso em 22 set. 2019.

FERNANDES NETO, Maria de Lurdes. Norma Brasileira de Potabilidade de Água: Análise dos parâmetros agrotóxicos numa abordagem de avaliação de risco. 2010. Tese (Doutorado em Ciências na área de Saúde Pública e Meio Ambiente) – Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2010.

FERNANDES NETO, Maria de Lurdes; SARCINELLI, Paula de Novaes. Agrotóxicos em água para consumo humano: uma abordagem de avaliação de risco e contribuição ao processo de atualização da legislação brasileira. Engenharia Sanitária Ambiental, Rio de Janeiro, v.14, n.1, p.69-78, 2009.

FREIRE, Carmen, KOIFMAN, Sérgio. Pesticide exposure and Parkinson’s diseases: epidemiological evidence of association, NeuroToxicology, 33, 947-971, 2012.

FREITAS, Carlos Machado de. Avaliação de riscos como ferramenta para a vigilância ambiental em saúde. Inf. Epidemiol. Sus, Brasília, v.11, n.4, p.227-239, 2002.

GILSON, Italo Kael et al. Agrotóxicos liberados nos anos de 2019-2020: uma discussão sobre uso e a classificação toxicológica. Brazilian Journal of Development. São José dos Pinhais, PR, v.6, n° 7, p.49468 – 49479, 2020.

GOMES, Anne Miriam da Silva; SILVA, Janimara Marques da; SANTOS, Claudimary Bispo dos. O uso indiscriminado de agrotóxicos e suas consequências na saúde humana e no ambiente: revisão bibliográfica. Diversitas Journal, Alagoas, v. 5, n.3, p.1691-1706, 2020.

GOOGLE. Google Maps. Disponível em: <https://www.google.com.br/maps/@-29.4715565,-51.9512035,11z>. Acesso em 19 fev.

GREGORY, Julia Leite et al. O uso de agrotóxicos por parte de descendentes de alemães em áreas rurais da região do Vale do Taquari, RS. In: SALÃO DE ENSINO E DE EXTENSÃO, XXV SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA,10, Santa Cruz do Sul, Anais...,Santa Cruz do Sul: Unisc, 2015.

GRISOLIA, Cesar Koppe Agrotóxicos: mutações, reprodução & câncer; riscos ao homem e ao meio ambiente, pela avaliação de genotoxicidade, carcinogenicidade e efeitos sobre a reprodução. Brasília: Ed. UnB, 2005.

GRUTZMACHER, Douglas D. et al. Monitoramento de agrotóxicos em dois mananciais hídricos no sul do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.12, n.6, p.632-637, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbeaa/v12n6/v12n06a10.pdf. Acesso em 22 nov. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística Censo Agropecuário: resultados definitivos 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017. Acesso em: 24 out. 2020.

INCA. INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Posicionamento do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva acerca dos agrotóxicos. MS, 2015. Disponível em:< https://www.inca.gov.br/publicacoes/notas-tecnicas/posicionamento-do-incaacerca-dos-agrotoxicos>. Acesso em 18 de outubro de 2019.

INFORMATIVO VIGISOLO. Porto Alegre, v.2, n. 8, p. 1-6, 2019. Disponível em:< https://www.cevs.rs.gov.br/informativo-vigisolo-2019>. Acesso em 18 set 2020.

JARDIM, Isabel Cristina Sales Fontes. Extração em fase sólida: fundamentos teóricos e novas estratégias para preparação de fases sólidas. Scientia Chromatographica, São Carlos, v. 2, n. 1, p. 13-25, 2010.

JABLONOWSKI, Nicolai. D. et al. Metabolism and persistence of atrazine in several field soils with different atrazine application histories. Journal of Agricultural and Food Chemistry v. 58, p. 12869-12877, 2010.

KOLCHINSKI, Eliane et al. Plano territorial de desenvolvimento rural sustentável do Vale do Taquari. 1 ed. Encantado: Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, 50 p, 2017.

KRONBAUER, Elenice Andrea. Análise de resíduos de agrotóxicos em recursos hídricos e água para consumo humano em Encantado, RS. 2019. Monografia (Especialização em Agroecologia e Produção Orgânica) Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade em Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2019. 91f.

LEE, Won Jein et al. Mortality among pesticide applicators exposed to chlorpyrifos in the agricultural heatlh study. Environmental Health Perspectives, Durhan, v.115, n.4, 528-534, 2007.

LUCAS, Evandro de Oliveira et al. Contaminação dos recursos hídricos por agrotóxicos na região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Research, Society and Development São José dos Pinhais, PR, v.9, n.9, e242997128, 2020.

MARQUES, Jeanine Ferreira. Pesticidas na água potável: padrões de qualidade e princípio de precaução na legislação européia. Caderno CRH, Salvador, n. 24/25, p. 269-285, jan./dez. 1996.

MARCHESAN, Enio et al. Resíduos de agrotóxicos na água de rios da Depressão Central do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Ciência Rural, Santa Maria, v. 40, n. 5, p.1053-1059, maio. 2010.

MOSTAFALOU, Sara, ABDOLLAHI, Mohammad. The link of organophosphorus pesticides of with neurogenerative na neurodevelopmental diseases based on evidences and mechanisms. Toxicology,v. 409, 44-52, 2018. Disponível em < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30053494/>. Acesso 19 set 2019.

MENEGOLA, Elena et al. Effects of mixtures of azole fungicides in postimplantation rat whole-embryo cultures. Archives Toxicology, v. 87, n.11, 1989-1997, 2013. Disponível em < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23552852/>. Acesso em 19 set 2019.

PAN International list of highly hazardous pesticides. NETWORK, Pesticide Action. 2018. Disponível em: http://www.pan-germany.org/download/PAN_HHP_List.pdf. Acesso em 10 out. 2019.

PIGNATI, Wanderlei Antonio et al. Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no Brasil: uma ferramenta pra a vigilância em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.22, n.10, p. 3281-3293, 2017.

PREVIDE, Renato Maso; JUNIOR, Cildo Giolo Agrotóxicos: ineficiência da governança aberta ou interesse no obstáculo à informação? Revista Eletrônica da Faculdade de Direito de Franca, v. 11, n. 1, 2017.

PORTUGAL, Taillany Rodrigues; SILVA, Lívia Maria da Costa. Análise do aumento dos registros de agrotóxicos e afins e as consequências para os recursos hídricos. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, Curitiba, v.3, n.3, p. 1183-1196, 2020.

RIBEIRO, Maria Lúcia et al. Contaminação de águas subterrâneas por pesticidas. Química Nova, São Paulo, v.30, n.3, p. 688-694, 2007.

RIO GRANDE DO SUL. Portaria SES RS no 320, de 28 de abril de 2014. Estabelece parâmetros adicionais de agrotóxicos ao padrão de potabilidade para substâncias químicas, no controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano no RS. Porto Alegre, RS, 2014.

RIO GRANDE DO SUL. Centro Estadual de Vigilância em Saúde. 2019. Disponível em : file:///C:/Users/Usuario/Downloads/20163952-informativo-vigiagua-v-3-n-2-agosto-de-2019.pdf. Acesso em: 20 nov. 2020.

RIQUINHO, Deise Lisboa et al. Mortality rate and water contamination by atrazine in Rio Grande do Sul State: na ecological study. International Journal of Development Research 10, (07), 38235-38240.

RUBBO, Juliane Pastorello.; ZINI Luciano Barros. Avaliação dos controles de agrotóxicos na água para consumo humano dos sistemas de abastecimento de água do Rio Grande do Sul em 2016. Boletim da Saúde, Porto Alegre, vol. 26, n.1, p.17-27, 2017.

SASSO, Eloisa Lovisson et al. Análise espaço-temporal de intoxicação por pesticidas no Rio Grande do Sul. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v.37, n.2, e26660, 2020.

SASSO, Eloisa Lovisson et al. Occupational exposure of rural workers to pesticides in a vegetable-producing region in Brazil. Environmental Science and Pollution Research, Switzerland, 2021. https://doi.org/10.1007/s11356-021-12444-5

SEBRAE. Serviço de Apoio às Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul. Perfil das Cidades Gaúchas: Encantado. Porto Alegre, 2019. 21 p.

SILVA, Thaís Reis da, AZEVEDO, Débora de Almeida. Monitoramento de atrazina, simazina e seus metabólitos no Complexo Estuarino Lagunar Mundaú-Manguaba, Alagoas. In: 31a REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA, 31, 2008. Águas de Lindóia. Resumos. São Paulo: SBQ, 2008.

SILVA, Renato César da. Avaliação do Potencial Carcinogênico do Carbendazim e seus metabólitos.2014. Mestrado (Mestrado em Química), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.106 f.

SILVA, Julce Clara da; ZINI, Luciano Barros; GARIBOTTI, Vanda. Resíduos de Agrotóxicos na Água para Consumo Humano no Rio Grande do Sul. Boletim Epidemiológico, Porto Alegre, v. 18, n. 1-2, p. 5-10, mar./jun. 2016.

SOUZA, Andressa de et al. Avaliação do impacto da exposição a agrotóxicos sobre a população rural Vale do Taquari, (RS, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n.08, p.3519-3528, 2011.

UNIÃO EUROPEIA. Directiva 98/83/CE do Conselho de 3 de novembro de 1998 relativa à qualidade da água destinada ao consumo humano. Disponível em: http://eurlex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=OJ:L:1998:330:0032:0054:pt:pdf . Acesso em: 06 set. 2019.

VALADARES, Alexandre; ALVES, Fabio; GALISA, Marcelo. O crescimento do uso de agrotóxicos: uma análise descritiva dos resultados do censo agropecuário 2017. Nota Técnica, n° 65, IPEA, Brasília, 2020. 42p.

VAZ, Paulo Afonso Brum. O Direito Ambiental e os agrotóxicos: responsabilidade civil, penal e administrativa. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.

ZINI, Luciano Barros. Contaminação de agrotóxicos na água para consumo humano no RS: avaliação de riscos, desenvolvimento e validação de método empregando SPE e LC-MS/MS. 2016. Dissertação (Mestrado em Engenharia Química) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

Downloads

Publicado

27/09/2021

Como Citar

KRONBAUER, E. A.; BIONDO, E.; ZANETTI, C.; KOLCHINSKI, E. M. . Agrotóxicos em água do rio e água tratada no Município de Encantado/RS. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 14, n. 2, 2021. DOI: 10.24979/ambiente.v14i2.967. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/967. Acesso em: 27 out. 2021.

Edição

Seção

Ciências Biológicas e da Saúde

Categorias

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)