Quinoxalinas naturais em substituição às alternativas semissintéticas e sintéticas como pesticidas

Um estudo in silico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v1i1.928

Palavras-chave:

farmacocinetica, Benzopirazinas, Toxicidade

Resumo

O uso incorreto de pesticidas no controle de pragas gerou contaminação dos leitos de lençóis freáticos, contaminação de alimentos, acúmulo no tecido de gado de corte, bem como a contaminação humana resultando no aparecimento de patologias. O núcleo quinoxalínico apresenta um grande potencial para a química medicinal, estando presente em diversos produtos naturais e sintéticos que apresentam atividade biológica e com baixa toxicidade.  Propõe-se o uso de quinoxalinas de origem natural em substituição ao uso das alternativas sintéticas tóxicas atualmente utilizadas como pesticidas. Foram avaliadas cinco quinoxalinas semissintéticas, duas sintéticas e quatro de origem natural. Suas respectivas estruturas bidimensionais foram obtidas no PubChem©. As propriedades físico-químicas como Ph e as propriedades farmacocinéticas de absorção, distribuição, metabolismo, excreção e toxicidade (ADMET) foram calculadas das substâncias no servidor online admetSAR e avaliadas quanto ao parâmetro de similaridade à droga. Substâncias sintéticas e semissintéticas foram melhor absorvidas e distribuídas pelo organismo, apresentando baixa taxa de metabolismo e excreção dificultada. Conclui-se que as quinoxalinas naturais constituem alternativas importantes como pesticidas, no entanto, estudos mais aprofundados ainda são necessários para determinar o impacto que estas substâncias tem diante da exposição descontrolada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Ribeiro Alves, Universidade Estadual do Ceará

Atualmente é Doutoranda em Ciências Naturais pela Universidade Estadual do Ceará. Possui Doutorado (2019) e Mestrado (2015) em Ciências Veterinárias e Especialização em Bioquímica e Biologia Molecular Aplicada à Área de Saúde (2013) pela mesma instituição. Graduada em Licenciatura Específica em Biologia (2008) pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. Foi Professora da Secretaria de Educação do Ceará e da Prefeitura Municipal de Maracanaú. Tem alguma experiência na área de Química de Produtos Naturais, Bioquímica, Biologia dos Microorganismos e Biologia Molecular.

Profa. Dra. Selene Maia de Morais, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Federal do Ceará, mestrado em Química Orgânica pela Universidade Federal do Ceará e doutorado em Química - University of London (1991). Fez estágio de Pós-Doutoramento na Universidade de Aveiro (2015). Foi professora da Universidade Federal do Ceará até 1996, na graduação e Pós-graduação, exercendo os cargos de Coordenadora do Curso de Química e Diretora do Laboratório de Produtos Naturais. Atualmente é Professora Titular da Universidade Estadual do Ceará (UECE) e bolsista de produtividade do CNPq. Foi coordenadora do Curso de Química da UECE, participou do Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas e atualmente orienta alunos dos Cursos de Doutorado em Biotecnologia da RENORBIO, do Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias e do Mestrado Acadêmico em Recursos Naturais (MARENA). Foi Coordenadora do MARENA e do Doutorado em Biotecnologia da UECE. Participa da Câmara de Pesquisa da FUNCAP, sendo consultora Ad-hoc da FAPEMA e da FAPEPI. Tem experiência na área de Química dos Produtos Naturais, atuando principalmente no isolamento e determinação estrutural de compostos orgânicos naturais e avaliação de suas propriedades biológicas como antioxidante, leishmanicida, antiviral contra o vírus Dengue, antimicrobiana, larvicida contra Aedes aegipty, dentre outras, trabalhando em conjunto com pesquisadores dos Cursos de Medicina Veterinária, Biologia e Medicina. É revisora de vários periódicos nacionais e internacionais.Trabalha também na área de síntese de derivados de produtos naturais e avaliação da relação estrutura x atividade.

Prof. Dr. Emmanuel Silva Marinho, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Química pela Universidade Federal do Ceará, mestrado e doutorado em Bioquímica pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente, é professor Adjunto da Universidade Estadual do Ceará e lotado na Faculdade de Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos / FAFIDAM. É professor de e Físico-Química no curso de Licenciatura em Química. Foi coordenador do curso de Licenciatura em química no período 2015 a 2017 e de 2018 a 2019, respectivamente.Atualmente coordena o curso de licenciatura em computação e o Grupo de Química Teórica e Eletroquímica ( GQTE ). Os temas de pesquisa de interesse estão associados às áreas de físico-quimica, com ênfase na Química Teórica e bioinformática. Antioxidantes, adsorção, espectroscopia molecular, mecanismo de reações, simulação de propriedades eletrônicas e estruturais de moléculas de interesse biológico e ambiental por meio de cálculos ab initio e DFT são as pesquisas de interesse na área de química teórica computacional. Docking molecular, dinâmica molecular, modelagem de proteínas são os temas de pesquisa na área de Bioinformática.

Referências

ALMEIDA-NETO, F. W. Q. et al. Characterization of the structural, spectroscopic, nonlinear optical, electronic properties and antioxidant activity of the N-{4’-[(E)-3-(Fluorophenyl)-1-(phenyl)-prop-2-en-1-one]}-acetamide. Journal of Molecular Structure, v. 1220, p. 128765, nov. 2020.

AZEV, Y. A. et al. Synthesis of Natural and Biologically Active Quinoxaline Analogs. Chemistry of Natural Compounds, v. 55, n. 3, p. 513–519, 17 maio 2019.

BALLABH, P.; BRAUN, A.; NEDERGAARD, M. The blood-brain barrier: An overview: Structure, regulation, and clinical implications. Neurobiology of Disease, v. 16, n. 1, p. 1–13, 2004.

CHEMAXON. Marvin: A full featured chemical editor for making science accessible on all platforms.

DAINA, A.; ZOETE, V. A BOILED-egg to predict gastrointestinal absorption and brain penetration of small molecules. ChemMedChem, v. 11, n. 11, p. 1117–1121, 2016.

DAYAN, F. E.; CANTRELL, C. L.; DUKE, S. O. Natural products in crop protection. Bioorganic & Medicinal Chemistry, v. 17, n. 12, p. 4022–4034, jun. 2009.

DELLAMATRICE, P. M.; MONTEIRO, R. T. R. Principais aspectos da poluição de rios brasileiros por pesticidas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 12, p. 1296–1301, dez. 2014.

HONGBIN, Y. et al. admetSAR 2.0: web-service for prediction and optimization of chemical ADMET properties. v. bty707, 2018.

LIMA, E. P. et al. Exposição a pesticidas e repercussão na saúde de agentes sanitaristas no Estado do Ceará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 6, p. 2221–2230, dez. 2009.

LIPINSKI, C. A. Lead- and drug-like compounds: The rule-of-five revolution. Drug Discov. Today Technol, v. 1, p. 337–341, 2004.

LIU, X.-H. et al. Synthesis and Pesticidal Activities of New Quinoxalines. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 68, n. 28, p. 7324–7332, 15 jul. 2020.

RIBEIRO, M. L. et al. Contaminação de águas subterrâneas por pesticidas: avaliação preliminar. Química Nova, v. 30, n. 3, p. 688–694, jun. 2007.

SASSO, E. L.; CAMPOS, L. M. De; CLASEN, B. Análise espaço-temporal de intoxicação por pesticidas no Rio Grande do Sul. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 37, n. 2, p. 1–9, 2020.

Downloads

Publicado

31/08/2021

Como Citar

ALVES, D. R.; MORAIS, S. M. de; MARINHO, E. S. Quinoxalinas naturais em substituição às alternativas semissintéticas e sintéticas como pesticidas: Um estudo in silico. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 1, n. 1, 2021. DOI: 10.24979/ambiente.v1i1.928. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/928. Acesso em: 25 set. 2021.