GUARDIÕES DAS SEMENTES DA VIDA NO VALE DO RIO PARDO - RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/ambiente.v13i2.845

Palavras-chave:

Sementes cioulas, Afeto, Resistência, AAVRP

Resumo

Os guardiões e guardiãs de sementes crioulas são agricultores que as resgatam, plantam, selecionam e conservam ao longo do tempo em suas propriedades, garantindo a preservação da agrobiodiversidade. O presente trabalho teve como objetivo elucidar os motivos que os levam a conservarem suas sementes e a relação que estabelecem com as variedades preservadas. Através de uma metodologia qualitativa, utilizou-se a técnica de observação direta com o uso de questionários semiestruturados para entrevistar quinze agricultores guardiões e guardiãs envolvidos na produção, troca e comercialização de sementes crioulas e as ações e movimentos de Entidades participantes da Articulação em Agroecologia do Vale do Rio Pardo (AAVRP) em prol do resguardo das sementes crioulas ocorridas nesse âmbito de atuação. Concluiu-se que ao conservarem a diversidade biológica asseguram também os valores histórico e simbólico expressos pelas sementes crioulas, e conservá-las representa mais do que a produção agrícola propriamente dita, pois compõem relações produtivas, ambientais e socioculturais que permeiam as histórias de vida de quem as preserva.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Augusta Tauil Bernardo, Universidade Federal de Santa Maria/UFSM

Possui graduação em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006). Atualmente é bolsista da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, participante da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e trabalho voluntário - ARTICULAÇÃO DE AGROECOLOGIA VALE DO RIO PARDO. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito, atuando principalmente nos seguintes temas: agroecologia, sementes crioulas, direito dos agricultores, legislação e agrobiodiversidade.

Referências

BEVILAQUA, Gilberto Antônio Peripolli et al. Agricultores guardiões de sementes e ampliação da agrobiodiversidade. Embrapa Clima Temperado-Artigo em periódico indexado (ALICE), 2014.

CARVALHO, Horácio Martins de. Sementes: patrimônio do povo a serviço da humanidade. São Paulo: Expressão Popular, p. 352, 2003.

CORDEIRO, Ângela. A Viagem das Sementes: Sementes Patrimônio dos Povos a Serviço da Humanidade. Coletivo Nacional das Campanhas Sementes da ANCA - Associação Nacional de Cooperação Agrícola, Cadernos de Saúde e Meio Ambiente, 2004.

FELDMANN, Fabio. A parte que nos cabe: consumo sustentável. Meio ambiente no século, v. 21, n. 5, 2003.

FRANÇA, Clayton Rodrigues; GARCIA, Loreley. Sementes livres—ações pela soberania da natureza. REDD–Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, v. 8, n. 2, 2014.

Freire, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio De Janeiro: Paz e Terra, 1992.

GIDDENS, Anthony; BECK, Ulrich; LASH, Scott. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. Editorial Alliance, 1997.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA, 2008.

GODOY, Arilda Schmidt. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE-revista de administração de empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/santa-cruz-do-sul > Acesso em: 12 de Agosto de 2020.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MATTE, Alessandra; MACHADO, João Armando Dessimon. Tomada de decisão e a sucessão na agricultura familiar no sul do Brasil. Revista de Estudos Sociais, v. 18, n. 37, p. 130-151, 2016.

NARANJO, Rufino Acosta; DIEGO, José Díaz. E em suas mãos a vida. Os cultivadores das variedades locais de Tentudía. 2008.

NODARI, Rubens Onofre; GUERRA, Miguel Pedro. A agroecologia: estratégias de pesquisa e valores. Estudos avançados, v. 29, n. 83, p. 183-207, 2015.

OLANDA, Rosemeri Berguenmaier de. Famílias guardiãs de sementes crioulas: a tradição contribuindo para a agrobiodiversidade. 157 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2015.

PINHEIRO, Regis de Araujo et al. O ato de guardar as sementes e a agricultura sustentável. Cadernos de Agroecologia, v. 13, n. 1, 2018.Santilli, J. Agrobiodiversidade e Direitos dos Agricultores. São Paulo: Petrópolis, 2009. 519p.

DOS SANTOS, Ailton Dias. Metodologias participativas: caminhos para o fortalecimento de espaços públicos socioambientais. Editora Peirópolis, 2005.

SHIVA, Vandana. Biopirataria: a pilhagem da natureza e do conhecimento. Vozes, 2001.

STELLA, André; KAGEYAMA, Paulo; NODARI, Rubens. Políticas públicas para a agrobiodiversidade. Agrobiodiversidade e diversidade cultural. Brasília: MMA, p. 41-56, 2006.

Downloads

Publicado

2020-10-13

Como Citar

BERNARDO, M. A. T. GUARDIÕES DAS SEMENTES DA VIDA NO VALE DO RIO PARDO - RS. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 55-62, 2020. DOI: 10.24979/ambiente.v13i2.845. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/845. Acesso em: 28 out. 2020.

Edição

Seção

Ciências Exatas e Agrárias