O jogo no ensino de ciências

Um estudo na Escola Estadual Mário Homem de Melo Serra Grande I – Cantá/Roraima.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/makunaima.v3i5.606

Palavras-chave:

Jogo trilha, Répteis, Ensino-aprendizagem

Resumo

Os jogos didáticos pedagógicos são relevantes ao processo de ensino-aprendizagem sendo utilizado como uma alternativa para melhorar o desempenho dos alunos em conteúdo de difícil aprendizagem. A pesquisa tem como objetivo geral analisar quais são as contribuições do jogo para a aprendizagem do conteúdo répteis no ensino fundamental II. A metodologia utilizada foi: observação em sala de aula, aplicação do jogo trilha sobre os répteis e avaliação da utilização do jogo. Caracterizou-se como qualitativa e contou com a participação de 9 alunos do 7º ano da Escola Estadual Mário Homem de Melo, Serra Grande I, município do Cantá-RR. Os resultados obtidos mostraram que a utilização de jogos no processo de ensino aprendizagem é capaz de promover a criatividade, socialização, interesse, motivação e conhecimento. Diante do exposto, o jogo desenvolveu nos alunos o senso crítico, capacidade de resolução de problema estimulando seu raciocínio lógico, além de atuar positivamente como ferramenta metodológica para o professor. Proporcionou um aprendizado significativo, aproximou o aluno ao ensino de Ciências, ao conteúdo Répteis para a construção de conhecimentos significativos. Portanto, o jogo lúdico é uma ferramenta alternativa para as aulas, eficaz no ensino de ciências, despertando o interesse dos alunos ao processo de ensino aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFONSO, M. L. M.; ABADE, F. L. Jogos para pensar: educação em Direitos Humanos e Formação para a Cidadania. Cadernos da Diversidade. São Paulo: Autêntica, 2016.

AGAMME, A. L. D. A.O lúdico no ensino de genética: a utilização de um jogo para entender a meiose. Trabalho de conclusão de curso (Monografia),Universidade Mackenzie, São Paulo,2010.

ALVES, L.; BIANCHIN, M. A.O jogo como recurso de aprendizagem. Rev. Psicopedagogia;27(83): 282-7,2010.

AQUINO, S.; BORGES, M. C. J. O ensino de Ciências e a importância da metodologia para a aprendizagem. Uma experiência vivida estágio na cidade de Fortim. In Simpósio de Pesquisa, 1., 2009. Aracati – CE. Anais… Aracati – CE: 2009. Disponível em: Acesso em: 08 de junho de 2018.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases – Lei n° 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

CAMPOS, G. H. B.; CAMPOS, F. C. A; ROCHA, A. R. C. da. Um Ambiente Educacional por Computador: Paradigmas, Ciclo de Vida e Avaliação da Qualidade. Congresso Nacional de Informática para Educadores de los Niveles Inicial, Primario Y Medio. Mendoza, República Argentina, 2013.

CID, E. F. K. O uso de jogos como estratégia motivadora o processo de ensino de aprendizagem da educação profissional. Vitória: Cousa, 2017.

CIGAGNA, M.;DAMASCO, S.;SILVA, F.R.L. da; RODRIGUES, A.M. Viajando pelos fusos horário: a construção de materiais didáticos para o ensino e aprendizagem de conceitos cartográficos. In: Colóquio de cartografia para crianças e escolares,7,201.Vitória. AnaisVitória, p.322-339,2011.

COLL, C. S.; MESTRES, M. M.; GONI, J. O.; GALLART, I. S. Psicologia da educação. Porto Alegre: Artmed, 1999.

COLL, C.;SOLÉ,I. O construtivismo na sala de aula.6 ed. São Paulo: Ática,1999.

CUNHA, N. Brinquedo, desafio e descoberta. Rio de Janeiro: FAE, 1988.

FIALHO, N. N. Jogos no ensino de Química e Biologia. Curitiba:IBPEX,2007.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa.29 ed. São Paulo: Paz e Terra,1996.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa.4.ed. São Paulo: Atlas,2002.

GOMES, R. R.; FRIEDRICH, M. A Contribuição dos jogos didáticos na aprendizagem de conteúdos de Ciências e Biologia. In: EREBIO,1, Rio de Janeiro, 2001, Anais…, Rio de Janeiro, 2001, p.389-92.

GRADO, R.C.O jogo suas possibilidades metodológicas no processo ensino-aprendizagem da matemática. Dissertação(Mestrado),Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas,1995.

HICKMAN, J.C.P.;ROBERTS, L.S.;LARSON, A. Princípios integrados de zoologia.11 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan LTDA. 2012.

HUINZINGA, J. H. L. O jogo como elemento da cultura.5 ed. São Paulo: Perspectiva,2004.

KISHIMOTO, M. T. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

KISHIMOTO, T. M. (org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LINHARES, S.; GEWANDSZNAJDER. Biologia hoje. São Paulo: Ática,2010.

MACEDO, L. de.; PETTY, A. L. S.;PASSOS, N. C. Aprender com jogos e situações-problema. Porto Alegre; Artmed, 2000.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica.6 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MOREIRA, M. A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Editora Universidade de Brasília, 2006.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F.S. Aprendizagem Significativa. A teoria de David Ausubel. Moraes Ltda. São Paulo, 1982.

MOREIRA.M.A.Teoria de aprendizagens. Editora Pedagógica e Universitária LTDA. São Paulo,1999.

MOYLES, J. R. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. Tradução: Maria Adriana Veronese. Porto Alegre: Artmed,2002.

MUNIZ, C. A. Brincar e jogar: enlaces teóricos e metodológicos no campo da educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

NEGREIROS, J. M.; CAVALCANTE, A. I. C.; MACÊDO, L. N.; MACÊDO, A. A. M. Jogos didáticos: favorecendo o ensino e a aprendizagem de química. Anais 5º Encontro Nacional das Licenciaturas. UFRN, Natal, 2014.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa – características, uso e possibilidades. Cadernos de pesquisa em adminsitração, São Paulo. V. 1, nº 3, 2ºsem. 1996

ORR, Roberto T. Biologia dos vertebrados. Tradução: Dirceu Eney; Maria Christina de Oliveira Viana; Maria Eugênia de Oliveira Viana. 5 ed. São Paulo: Roca Ltda,1986.

PEDERSOLI, J. L.;WELLINGTON, C. G. Biologia II 2º grau. Editora lê. Belo Horizonte,1980.

RODRIGUES, C.C.; MELLO, M.L. A prática no ensino de genética e biologia molecular: desenvolvimento de recursos didáticos para o Ensino Médio, 2005-2008.

SAMPAIO, M. N.; LEITE, L. S. Alfabetização Tecnológica do Professor. 3 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

SANTOS, J. C. F. dos. Aprendizagem Significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. Porto Alegre: Mediação, 2008.

SANTOS, S. Marli P. dos. Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico.6 ed. Petrópolis, RJ: Vozes,2000.

SILVA JÚNIOR, C. da; SASSON, S.; CALDINI JÚNIOR, N. Biologia 2. 11 ed. São Paulo: Saraiva,2013.

SILVEIRA, M.J.M. da. Experienciando o lúdico no curso de bacharelado em farmácia. Artigo Científico. Centro Universitário Franciscano de Santa Maria, Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul,2002.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. 6.ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SOUZA, L. L. de; FREITAS, S. R. S. O ensino de Ciências e Biologia no Amazonas: Experiências do PIBID no Município de Tefé. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

STORER, T.I.;USINGER, R.L.;STEBBINS, R.C.;NYBAKKEN, J.W. Zoologia Geral.6 ed.São Paulo: Companhia, 1986.

YAMAZAKI, R. M. de O. Construção do conceito de gene por meio de jogos pedagógicos. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande,2010.

Downloads

Publicado

2021-07-19

Como Citar

Oliveira, J. de A., & Oliveira, S. K. S. de. (2021). O jogo no ensino de ciências: Um estudo na Escola Estadual Mário Homem de Melo Serra Grande I – Cantá/Roraima. Revista Eletrônica Casa De Makunaima, 3(1), 57–70. https://doi.org/10.24979/makunaima.v3i5.606