NARRATIVA SOBRE ESPACIALIDADE RIBEIRINHA NA FOZ DO RIO AMAZONAS

  • Emmanuel Raimundo Costa Santos Universidade Federal do Amapá/UNIFAP
Palavras-chave: Estuário do Amazonas, Imaginário, Trajetória geográfica, Ribeirinho, Narrativa

Resumo

Semelhante às da narrativa de Frei Gaspar de Carvajal, de meados do século XVI , outras mulheres guerreiras avançam em suas pequenas montarias em direção  às embarcações regionais a fim de garantir suas permanências no maior rio do planeta. Para além da lenda das Amazonas, essa é uma história real presenciada na viagem fluvial entre Belém e Macapá. História que se confunde com a de outros passageiros que migram em definitivo ou temporariamente para a fronteira  setentrional da Amazônia. É nesse vai e vem como que no movimento das marés, e diante da necessidade econômica cada vez maior, que múltiplas trajetórias geográficas se encontram no vasto estuário amazônico. Assim, uma espacialidade se constitui com a articulação entre formas sociais quase primitivas e modernas relações socioeconômicas. Aparentemente contraditórias, elas contribuem para a produção das particularidades no espaço ribeirinho Amazônico.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-04-18
Como Citar
Emmanuel Raimundo Costa Santos. (2020). NARRATIVA SOBRE ESPACIALIDADE RIBEIRINHA NA FOZ DO RIO AMAZONAS. Revista Eletrônica Casa De Makunaima, 2(4), 111-124. Recuperado de https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/casa_de_makunaima/article/view/688