Por uma pós-geografia de resistência

A Zoegrafia cosmogônica dos povos indígenas do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/makunaima.v3i2.1019

Palavras-chave:

Povos indígenas, Zoegrafia cosmogônica, Indígenas, Geografia

Resumo

Este trabalho busca demonstrar o conflito de visões de mundo das populações indígenas brasileiras e da ciência moderna, na possiblidade deste debate propor novos caminhos para a convivência no mundo, influenciando, sobretudo, a política institucional. Por meio da literatura produzida por indígenas, procura reafirmar que as ciências ditas modernas tornam-se possíveis por meio de um processo histórico de estabelecimento cosmológico da sociedade europeia e, por isso, é necessário a desconstrução de paradigmas, notadamente na ciência geográfica, considerando que há visões diferentes de que é o universo e a natureza humana. A partir da visão de mundo dos povos tradicionais propõe-se tratar do processo de colonização etnocida, genocida, biocida ou ecocida que segue em marcha, assim como este confronto de mundos, em uma guerra que dura mais de 500 anos no Brasil. Tem na teoria da multinaturalidade, ou seja, no perspectivismo ameríndio, a ideia de uma possível coexistência de outras naturezas humanas, percebida na revisão da literatura e da filosofia dos povos Krenak e Yanomami, possibilitando identificar as demandas dos povos indígenas que resistem a um modelo de sociedade ocidental predatória que visa a mercadoria e o lucro a qualquer custo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Éder Rodrigues dos Santos, Universidade Federal de Roraima/UFRR

Doutorando em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Mestre em Geografia pelo Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGEO) da Universidade Federal de Roraima (UFRR). Bacharel em Ciências Sociais, com habilitação em Sociologia pela UFRR e bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo (UFRR). Possui especialização MBA em Marketing pela Universidade Gama Filho (UGF/AM).

Referências

ACOSTA, A. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo, Editora: Autonomia Literária, 2016.

ALBERT, Bruce. O Ouro Canibal e a Queda do Céu: uma crítica xamânica da economia política da natureza (Yanomami). In: ALBERT, Bruce; RAMOS, Alcida R. Pacificando o Branco: Cosmologias do contato do norte-Amazônico. São Paulo: Editora Unesp, 2002.

DUSSEL, Henrique. O encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: RJ, Vozes, 1993.

__________. Europa, modernidade e Eurocentrismo. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas CLACSO, 2005.

CLAVAL, Paul. Epistemologia da Geografia. Florianópolis: Editora da UFSC, 2011.

__________ A Geografia Cultural. Florianópolis: Editora da UFSC, 1999.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Tradução de Enio Paulo Giachini. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

HOUNTONDJI, Paulin J. Conhecimento de África, conhecimento de africanos: duas perspectivas sobre os estudos africanos. In: SANTOS. Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs). Epistemologias do sul. Coimbra: Edições Almedina. 2009.

LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autonoma de

Buenos Aires, Argentina. setembro 2005a.

__________. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? Buenos Ayres: CLACSO, 2005b.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Mito e Significado, Lisboa: Edições 70, 1978.

FERRO, Marc. História das colonizações: das conquistas às independências. Companhia das Letras; 1ª edição, 1996.

KANT, Immanuel. A crítica da razão pura. São Paulo, SP, Editora Martin Claret, 2003.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

__________. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras. 2020a.

__________. A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras. 2020b.

KOPENAWA; Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã Yanomami. São Paulo – SP: Companhia da Letras, 2015.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1 edições, 2018a.

__________. Crítica da razão negra. Trad. de Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1

edições, 2018, 320p.

__________. Políticas da Inimizade. Lisboa: Antígona, 2017, 250p.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. CLACSO, 2005.

__________. Colonialidade do Poder e Classificação Social. In: MENESES, Maria Paula (Orgs). Epistemologias do sul. Coimbra: Edições Almedina. 2009.

RATTS, Alex. A questão étnica e/ou racial no espaço: a diferença no território e a geografia. Boletim Paulista de Geografia, nº 104, jul.-dez. 2020.

SANTOS, Éder Rodrigues dos. Ecologia de Saberes: a representação social nos filmes Serras da Desordem e Davi contra Golias no contexto da crise epistemológica. TCC apresentado no Centro de Ciências Humanas da UFRR. Boa Vista, 2016.

SANTOS, Milton. Espaço e Método. São Paulo: Nobel, 1985.

SILVA, Josué da C.; SOUZA FILHO, T. A. S. F. O viver ribeirinho. In: SILVA, J. C.; SOUZA FILHO, M. P.; PEREIRA, W. S. B.; FIGUEIREDO. E. F. G. de; SOUSA, L. F. Nos Banzeiros do Rio: ação interdisciplinar em busca da sustentabilidade em Comunidades Ribeirinhas da Amazônia. Porto Velho: EDUFRO, 2002.

VIVEIROS DE CASTRO. Os Pronomes Cosmológicos e o Perspectivismo Ameríndio. Mana, 2(2):115-144. 1996.

__________. O nativo relativo. Mana 8 (1) 113-148. 2002a.

__________, Eduardo. Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. In: A inconstância da alma selvagem: e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002b.

__________. Xamanismo transversal: Lévi-Strauss e a cosmopolítica amazônica. In: CAIXETA DE QUEIROZ, Rubens; FREIRE NOBRE, Renarde. (Orgs.). Lévi-Strauss: leituras brasileiras. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

__________. O Intempestivo, ainda. In: Arqueologia da violência – pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

__________. E. Os involuntários da Pátria: elogio do subdesenvolvimento. Caderno de Leituras, nº 65. Belo Horizonte (MG), 2017. Disponível em https://chaodafeira.com/catalogo/caderno65/

__________. Metafísicas canibais. Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: UBU Editora, N - 1 Edições, 2018.

ESCOBAR, Arturo. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e Ciências Sociais. Perspectivas latino-americanas CLACSO, 2005.

Downloads

Publicado

2022-01-10

Como Citar

Santos, Éder R. dos. (2022). Por uma pós-geografia de resistência: A Zoegrafia cosmogônica dos povos indígenas do Brasil. Revista Eletrônica Casa De Makunaima, 3(2), 26–40. https://doi.org/10.24979/makunaima.v3i2.1019