A CRISE E O ESGOTAMENTO DO DIREITO

Autores

  • Pedro Pulzatto Peruzzo

DOI:

https://doi.org/10.24979/106

Resumo

Para além da discussão sobre o potencial emancipatório ou não do Direito abstratamente, existe uma discussão necessária sobre o papel do Direito brasileiro neste cenário de crise. Certamente, o Direito consolida direitos oriundos de intensas lutas sociais. No entanto, a forma como as instituições têm criado, interpretado e aplicado o Direito no Brasil parece evidenciar que esse instrumento que deveria se prestar à regulamentação e pacificação das relações sociais tem servido mais para fazer valer os interesses de uma elite econômica descompromissada com a justiça social. A partir de uma abordagem antropológica do Direito e olhando para a realidade (para o campo de pesquisa), pretendemos demonstrar que a hipótese de que o Direito encontra-se esgotado não se trata apenas de uma alegoria retórica, mas de algo que precisa ser encarado com maturidade por todos nós que ainda acreditamos na força dos acordos sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-09-04

Como Citar

PERUZZO, P. P. A CRISE E O ESGOTAMENTO DO DIREITO. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 10, n. 01, 2017. DOI: 10.24979/106. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/106. Acesso em: 16 jun. 2021.

Edição

Seção

Dossiês - Direitos Humanos: Estudos Críticos Contemporâneos