SEXUALIDADE E ESCRAVIDÃO DA MULHER ÁRABE-MUÇULMANA

Autores

  • Carlos Silva, 991149028 Universidade Estadual de Roraima

DOI:

https://doi.org/10.24979/remgads.v9i2.56

Resumo

Os árabes-muçulmanos foram os primeiros a comercializar escravos com finalidade exclusivamente sexual e econômica, em que mulheres escravas ficavam à disposição de seu mestre, e os homens, muitos transformados em eunucos pela castração, tanto brancos como negros, tinham a tarefa cuidar e zelar da segurança delas, trabalhar em construções e em atividades agrícolas e militares.  Enquanto às esposas estava reservado o cuidado dos filhos e a harmonia do lar, as escravas eram envolvidas em obrigações não apenas sexuais, mas em atividades inerentes à vida doméstica do harém, como cantoras, dançarinas e poetisas, atividades fundamentalmente exercidas para satisfação de seu mestre.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Silva, 991149028, Universidade Estadual de Roraima

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (1992), mestrado em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (1994), doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - (2006) e pós-doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo -USP e pelo ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa - IUL, Portugal, em 2011 e 2012. Atualmente é pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação e professor da Universidade Estadual de Roraima - UERR, Faculdade Cathedral de Ensino Superior e pesquisador antropólogo do Instituto de Amparo à Ciência, Tecnologia e Inovação - IACTI -, em Roraima. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia das Populações Afro-Brasileiras e Antropologia das terapêuticas de cura sóciomágica. (Fonte: Currículo Lattes)

Downloads

Publicado

2017-04-26

Como Citar

SILVA, C. SEXUALIDADE E ESCRAVIDÃO DA MULHER ÁRABE-MUÇULMANA. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 01–08, 2017. DOI: 10.24979/remgads.v9i2.56. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/56. Acesso em: 16 jun. 2021.

Edição

Seção

Artigos - Seção Varia