O SUJEITO ENTRE NATUREZA E CULTURA NO PENSAMENTO DE JEAN-JACQUES ROUSSEAU

Autores

  • Adriano M. Medeiros

DOI:

https://doi.org/10.24979/41

Resumo

O objetivo deste trabalho é investigar a concepção de subjetividade apresentada pelo filósofo suíço Jean-Jacques Rousseau: seus fundamentos, deduções e possíveis consequências. Utilizando-se de uma abordagem qualitativa, esta pesquisa bibliográfica se concentrou no seu livro intitulado “Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens”. Nesta investigação constatou-se que para ele a subjetividade humana, apesar de possuir uma essência originária, é eminentemente histórica, pois é formada a partir da instauração de um conflito entre natureza e cultura. Disto percebemos que em Rousseau pode estar a base das concepções que se fundam na historicidade do sujeito pois, os principais pensadores do século XIX, que adotaram este princípio, foram influenciados, direta ou indiretamente, pelo filósofo suíço. Além disso, considerando que a importância da filosofia está antes nas perguntas que nas respostas, acreditamos que seria esta inconclusão que tornaria o pensamento rousseauniano tão fecundo, sobretudo para as áreas nas quais é tão influente, ou seja, na ética, política e filosofia da educação, sendo relevante o aprofundamento da investigação sobre a problemática da subjetividade neste pensador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-02

Como Citar

MEDEIROS, A. M. O SUJEITO ENTRE NATUREZA E CULTURA NO PENSAMENTO DE JEAN-JACQUES ROUSSEAU. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento, [S. l.], v. 9, n. 2, 2016. DOI: 10.24979/41. Disponível em: https://periodicos.uerr.edu.br/index.php/ambiente/article/view/41. Acesso em: 16 jun. 2021.

Edição

Seção

Dossiês - Estudos Filosóficos da EAF