Inteligência emocional no serviço público

Autores

  • Ingred Moura Lamazon Universidade Estadual de Roraima/UERR
  • Lorenna Grasielle Silva Bispo Universidade Estadual de Roraima/UERR https://orcid.org/0000-0002-8630-5221

DOI:

https://doi.org/10.24979/makunaima.v3i2.974

Palavras-chave:

Absenteísmo, Inteligência emocional, Servidor público, Serviço público

Resumo

Pretende-se neste trabalho tratar da temática em torno da inteligência emocional, fenômeno pouco abordado por profissionais distantes da área da saúde, mas muito presente nas relações de trabalho como um todo, e, principalmente, no serviço público, o grupo alvo principal desta pesquisa. Nas últimas décadas observou-se o papel importante das competências e habilidades sentimentais no trabalho. Cada vez mais o ambiente laboral tem exigido mais de seus cooperadores além do melhoramento no gerenciamento das demandas organizacionais, demandando assim, mais que habilidades técnicas, mas também o controle emocional do servidor público, sobretudo do gestor público ao lidar efetivamente com seus liderados e com as dificuldades do cotidiano. Será observado que a inteligência emocional está relacionada a liderança no controle das emoções e na utilização da inteligência emocional, como modo de auxiliar na adaptação das eventualidades diárias. Também será abordado o impacto do descontrole emocional frente ao afastamento de servidores públicos por transtornos mentais relacionados ao trabalho, o que é muito comum no serviço público. Por fim, será analisado a necessidade de investimento na saúde dos colaboradores públicos, com a finalidade de melhorar-lhes a qualidade de vida no trabalho. Este trabalho foi construído através da análise de livros e periódicos e em bases conceituais sobre inteligência emocional e absenteísmos no Poder Público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ingred Moura Lamazon, Universidade Estadual de Roraima/UERR

Possui graduação em Direito pela faculdade Cathedral de Ensino Superior (2011). Técnica Judiciária no Tribunal de Justiça/RR desde 13/11/2003.  Assessora Jurídica no Tribunal de Justiça/RR  desde 2013. Tem experiência na área do direito com ênfase em Direito Penal. Pós, Graduada em Gestão Pública pela Universidade Estadual de Roraima em 2019.

Lorenna Grasielle Silva Bispo, Universidade Estadual de Roraima/UERR

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Roraima (2014) . É Mestre em Desenvolvimento Regional da Amazônia (2017) pela Universidade Federal de Roraima . Foi professora substituta da Universidade Federal de Roraima (2016-2018): lotada no Departamento de Administração- ministrando aulas para o curso de Administração e Engenharia, com as seguintes matérias: Fundamentos de Economia; Fundamentos de Economia Brasileira; Gestão de Serviços; Cooperativismo; Elaboração e Avaliação de Projetos de Investimentos. Atuou como professora orientadora de trabalho de conclusão de curso (TCC) na modalidade EAD do curso de Pós-Graduação em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino oferecido pelo Instituto Federal de Roraima. Foi professora do curso de Especialização em Gestão Pública da Universidade Estadual de Roraima ministrando a disciplina de Políticas Públicas, bem como, orientou alunos do curso de Gestão Pública da referida Universidade.

Referências

AFFONSO, L.M.F.; ROCHA, H.M. Fatores organizacionais que geram insatisfação no servidor público e comprometem a qualidade dos serviços prestados. Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, v. 7, 2010

BARBOSA, Giulliana. Inteligência emocional pode fazer a diferença para os servidores. Segurança e Saúde são áreas que costumam demandas maior controle emocional dos servidores (2018). Acesso em: < https://folhadirigida.com.br/servidor/inteligencia-emocional-pode-fazer-a-diferenca-para-os-servidores>. Acesso em 17 de setembro de 2019.

BAZZO, Ezio Flávio. Algumas considerações sobre a saúde mental dos funcionários públicos. Revista Psicologia Ciência e Profissão. (1997). Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pcp/v17n1/07.pdf>. Acesso em 20 de setembro de 2019.

BÖCKERMAN, P., & LAUKKANEN, E. (2010). Predictors of sickness absence and presenteeism: does the pattern diff er by a respondent’s health? Journal of Occupational and Environmental Medicine.

BRASIL. OMS. Organização Mundial da Saúde (2001). Organização Panamericana da Saúde. Relatório sobre a saúde no mundo 2001: Saúde mental - nova concepção, nova esperança. Genebra: Organização Mundial da Saúde.

COOPER, R.; SAWAF, A. Inteligência Emocional na empresa. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997

CRUZ, V. A. G. S. Metodologia da Pesquisa Científica: Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

GOLEMAN, D. Inteligência emocional. 78. ed. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 1995.

JACQUES, M. G. C., & AMAZARRAY, M. R. (2006). Trabalho bancário e saúde mental no paradigma da excelência. Boletim da Saúde, 20(1). Disponível em: <http://www.esp.rs.gov.br/img2/ v20n1_09TrabBancario.pdf>. Acesso em 21 de setembro de 2019.

MARQUES; Elaine Cristina. A importância da inteligência emocional na vida do profissional secretário. Revista das Faculdades Integradas Clarentianas – n. 5 – janeiro/dezembro de 2012. Disponível em: < file:///C:/Users/Windows/Downloads/sumario5.pdf>. Acesso em 20 de setembro de 2019.

Miller, K., Considine, J., & Garner, J. (2007). “Let me tell you about my job”: exploring the terrain of emotion in the workplace. Management Communication Quarterly, 20, 231-260.

PAGEGROUP. Inteligência emocional é a soft skill mais buscada por empregadores. Disponível em: https://folhadirigida.com.br/mais/noticias/soft-skills/inteligencia-emocional-e-a-soft-skill-mais-buscada-por-empregadores. Acessado em: 05 de janeiro de 2021.

Downloads

Publicado

2022-01-10

Como Citar

Lamazon, I. M., & Bispo, L. G. S. (2022). Inteligência emocional no serviço público. Revista Eletrônica Casa De Makunaima, 3(2), 68–76. https://doi.org/10.24979/makunaima.v3i2.974

Edição

Seção

Ciências Socialmente Aplicadas