SUSCEPTIBILIDADE CLIMÁTICA PARA A TRASMISSÃO DA MALÁRIA EM QUELIMANE, ZAMBÉZIA – MOÇAMBIQUE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24979/makunaima.v2i4.677

Palavras-chave:

Malária, Susceptibilidade Climática, Quelimane

Resumo

Este trabalho procura determinar o grau de susceptibilidade para a transmissão da malária na cidade de Quelimane como um caminho para caracterizar o risco climático num país com elevada vulnerabilidade social, o que faz com que um clima seja um importante condicionante da sua transmissão. A metodologia baseou-se na proposta de Craig, Snow e Sueur (1999) e Small, Goetz e Hay (2003) e adaptada para o presente trabalho, na qual a susceptibilidade é dada por:

Artigo_01_-_Imagem_resumo_1.png
Onde: Xt é a temperatura média observada no mês; Ut = 33ºC e St = 22ºC (limiares de temperatura considerados ótimos para que a transmissão da malária ocorra) e é a pluviosidade total mensal observada; Up = 0 mm (ausência de pluviosidade no mês) e Sp = 80 mm (pluviosidade total mensal considerada ótima para que a transmissão ocorra). Constatou-se que os meses de Outubro a Março são os que apresentam a maior susceptibilidade de transmissão da malária sugerindo -se que dada à elevada vulnerabilidade social que caracteriza esta cidade, devam se intensificar as actividades preventivas neste período.
Palavras-chave: Malária. Susceptibilidade Climática. Quelimane.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gina Amélia Albino Sitoe, Universidade Pedagógica - Moçambique

Doutoranda em Geografia pela Universidade Federal do Paraná, Docente da Universidade Pedagógica - Moçambique.

Downloads

Publicado

2020-04-18

Como Citar

Gina Amélia Albino Sitoe. (2020). SUSCEPTIBILIDADE CLIMÁTICA PARA A TRASMISSÃO DA MALÁRIA EM QUELIMANE, ZAMBÉZIA – MOÇAMBIQUE. Revista Eletrônica Casa De Makunaima, 2(4), 13-18. https://doi.org/10.24979/makunaima.v2i4.677